tráfico de brahma

Era um dia qualquer de carnaval; não careço dizer se ontem, anteontem ou hoje, mas o que segue, realmente aconteceu. A(s) cena(s) se passa(m) no Ceprama. Procurando algo para comer e beber, encontramos uma barraca que vendia batata-frita (e sanduíches) e, lembrando oásis em meio a desertos (como em desenhos animados), cerveja Brahma na paisagem dominada pela Nova Schin. Peço uma porção de batatas e uma Brahma. Sentamos e começamos a comer e beber. Duas latas depois, terminada a “refeição”, resolvemos nos aproximar do palco, para “rebolar”/pular/cantar (não necessariamente nessa ordem) ao som do grupo que se apresentava (“rebolando”/pulando/cantando, não necessariamente nessa ordem). Peço mais uma cerveja e, paga a conta, um homem, que nos pareceu apenas mais um interessado em beber Brahma também, pergunta-nos onde havíamos comprado aquela lata. Discretamente aponto a barraca mais próxima e, arrependido do gesto, descubro que se tratava de um fiscal da cervejaria patrocinadora do evento, que passa um pito numa das barraqueiras e manda “recolher” o produto, ordem esta não obedecida (graças a Deus). Instantes mais tarde, voltamos para nova carga e vejo-me obrigado a carregar a cerveja envolta na barra da camisa, ao menos até estarmos longe o suficiente daquela “boca* de Brahma”.

[* boca = nome comumente dado a pontos ilegais de venda de drogas (ilegais)]

[este blogue só volta segunda-feira; a não ser que o blogueiro presencie/seja protagonista de cena digna de nota, como a acima]

[a coluna do blogueiro no jp circula normalmente, na edição de sexta, 23/2]

Autor: Zema Ribeiro

Homem de vícios antigos, ainda compra livros, discos e jornais. Pai do José Antonio. Apresenta o Balaio Cultural (com Gisa Franco, aos sábados, das 13h às 15h, na Rádio Timbira AM) e o Radioletra (com Suzana Santos, aos sábados, às 20h45, na Rádio Universidade FM e reprise na Timbira AM, às 21h). Coautor de "Chorografia do Maranhão" (Pitomba!, 2018) e autor de "Penúltima página: Cultura no Vias de Fato" (Passagens, 2020). Antifascista.

3 comentários em “tráfico de brahma”

  1. hu hu!Tráfico de Brahma, essa foi a melhor.Cá pra nós, a Brahma merece o esforço, afinal, é a melhor!Eita Zema, quase acabou com o bom comércio negro do sujeito da barraquinha de batata frita!Que feioO!he heBjoO

diga lá! não precisa concordar com o blogue. comentários grosseiros e/ou anônimos serão apagados

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s