CEUMARAVIA, CEUMARAVIÁ!*

(anotações sobre o show de Ceumar, sexta-feira, 14, no Espaço Armazém)

O trânsito não estava fácil. Trânsito caótico é dessas coisas ruins de cidade grande que São Luís já tem. Forquilha. Um estúdio e uma cópia do disco de Gildomar Marinho. A estréia que está sendo gravada. Olho de Boi, finalmente, moçada!

Baixei as faixas num computador e me mandei pro Espaço Armazém. Havia marcado com Ceumar na passagem de som. Na porta, encontro Gilberto Mineiro. Lá dentro já estava Luiz Cláudio, o percussionista do Choro Pungado que tocou em Dindinha, a estréia da mineira.

Ceumar reconheceu-me, eu completamente diferente da última vez em que nos vimos. Eu havia ido armado com minha péssimáquina fotográfica. Deixei-a quieta num dos bolsos da mochila. A mineira ganhou um pandeirão do percussionista e já convidou-lhe para tocar, na apresentação de logo mais à noite. Sem ensaio. Tomei a liberdade de sugerir que fizessem um número, os três juntos, eles dois e Josias Sobrinho, anunciado como convidado especial da noite, compositor de quem Ceumar gravou duas músicas em sua estréia.

Ela pediu-me desculpas: o cd de Gero Camilo (sim, o ator!) – compositor também gravado pela moça de Itanhandu – que eu havia pedido para ela trazer-me, havia ficado. “Mando depois por correio”. Sem problemas. “Ah!, depois tu vai fazer uma lista dos discos que tu quer que eu te mande”, ela provocou. “Sim, vamos nos falando”.

Passei-lhe a cópia da gravação de Gildomar, explicando que ainda estava tudo cru, mas que era para ela ter uma idéia do que seria: “queremos que você participe da sétima faixa dessa gravação, uma música chamada Ladainha da remissão”. Ainda conversamos um pouco, até descermos, eu e Luiz Cláudio, já conversando sobre o show – Loopcínico – que ele apresentará no encerramento da II Semana de Música do Maranhão (domingo, 23, Largo da Madre Deus, depois digo mais). Saí sem pedir duas coisas (mais) a Ceumar: para fazer uma fotografia com ela e que ela tocasse a Oração do anjo (parceria dela com Mathilda Kóvak) no show de logo mais. Da foto, receei recusa, era antes do show, sabem como é mulher, né? A canção, sei lá… Temi ficar sem mel nem cabaça, como se dizia antigamente, já que minha noiva é avessa a tietagens, autógrafos e similares.

Uma volta pela Praia Grande antes do show começar. Eu com dois pares de ingressos: os nossos e o de um casal amigo. O produtor havia recomendado que chegássemos cedo: o espaço era pequeno e certamente alguém iria assistir ao show em pé. Não fomos nós: conseguimos uma mesa, e enquanto o show não começava, conversávamos assuntos diversos, por vezes a conversa dos homens atravessando a conversa das mulheres e vice-versa.

Vez por outra me levantava para cumprimentar conhecidos – passei cópia de gravações do Choro Pungado para Luiz Cláudio entregar a Ceumar – e, reconhecendo o garçom, de outro bar, agora trampando ali, já dei um jeito de não ter que levantar para pegar fichas durante o show.

Não demorou muito para que Mário Jorge, o produtor local, subisse ao palco e anunciasse o projeto Armazém Acústico, cujo primeiro show seria aquele de Ceumar. A idéia é fazer uma série de shows com bons artistas, em geral não holofoteados pela grande mídia. Boa!

Ceumar subiu ao palco e falou da eterna confusão: gente até hoje pensando que ela é maranhense por conta da produção de seu primeiro disco, de Zeca Baleiro, e das gravações dela para músicas do produtor e do maranhense Josias Sobrinho. “É uma honra para mim ser também maranhense”, disse. Então mandou a primeira música da noite. Coincidência ou não era Oração do anjo. Dali em diante desfilou pérolas de todos os seus discos, incluindo um gravado ao vivo, a sair em 2009, só com músicas inéditas. O seu olhar (Arnaldo Antunes e Paulo Tatit), Dindinha (Zeca Baleiro), Cantiga (Zeca Baleiro), Achou! (Dante Ozzetti e Luiz Tatit), Pecadinhos (Zeca Baleiro), São Genésio (Tata Fernandes e Gero Camilo), Boi de haxixe (Zeca Baleiro), Galope rasante (Zé Ramalho), Avesso (Ceumar e Alice Ruiz), as inéditas cujos títulos ainda não sei. Com as participações de Luiz Cláudio e Josias Sobrinho, juntos ou separados, fez várias: Maldito costume (Sinhô), Gírias do Norte (Jacinto Silva e Onildo Almeida), As “perigosa” (Josias Sobrinho), Rosa Maria (Josias Sobrinho), Bacurau Pragueiro (Josias Sobrinho).


[Ceumar, Luiz Cláudio e Josias Sobrinho, interpretando algum dos cantos josíadas, homericlássicos da música brasileira. Foto: Zema Ribeiro]

Com Luiz Cláudio desceu do palco, Ceumar com um pandeiro, ele com outro, rodaram o salão cantando a última da apresentação. Tudo foi tão perfeito que o show não teve (e nem precisava de) bis.


[Luiz Cláudio e Ceumar rodam o salão aos pandeiros despedindo-se da platéia. Foto: Zema Ribeiro]

Solícita, a cantora cumprimentou a todos os que ainda terminavam de trocar as fichas quando voltou. Autografou discos, posou para fotos com quem quis, avisou-me: “espera que tenho um negócio pra ti lá no camarim”. Se ela havia esquecido o disco de Gero, o que poderia ser? A curiosidade matou o gato, eu que não sou um, sabia que não ia morrer. Pensei, pensei e não consegui matar a charada.


[o blogueiro tietando. Foto: Marília Oliveira]

Alguns minutos mais, Ceumar retorna, roupa trocada, e me presenteia com a gravação inédita de seu próximo disco. Só vou adiantar que é um belíssimo ao vivo, todo inédito em sua belíssima voz – Rubi já gravou Oração do anjo, daquele repertório. Mais, escrevo depois, quando o disco for lançado e os poucos-mas-fiéis leitores deste blogue também puderem ouvi-lo.

[*trocadilho com Maravia, música de Dilu Mello e Jairo José gravada por Ceumar em Sempreviva!]

6 comentários sobre “CEUMARAVIA, CEUMARAVIÁ!*

  1. Paula 17 de novembro de 2008 / 18:27

    eta tietagem…..rsrsrsadorei !bjos

  2. ricarte 17 de novembro de 2008 / 19:39

    Pô Zema,quanta crueldade. tudo bem, falei pra comentar, mas não precisava exagerar rapá. fiquei com agua na boca, que inveja.obrigado por me situar do que rolou com essa gradiosíssima cantora, que eu adoro.valeu, na próxima eu não perco, por nada.

  3. elenmateus 17 de novembro de 2008 / 22:29

    ah, compartilha as parada aí, coé!nhé!

diga lá! não precisa concordar com o blogue. comentários grosseiros e/ou anônimos serão apagados

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s