O LIXO É NOSSO!

Não é à toa que este disco se chama Shopping Brazil.

Em março de 2002, ao ouvir um grupo de jovens tocanto latas, recordei uma música que fiz no início dos anos 70, quando os lixões já invadiam São Luís. Remendei os trapos. Vi a sustância daquele ritmo no pirão afro-brasileiro. As latas denunciavam com brilho a dor globalizada. Então incluí o dialeto no CD, despretensioso para a exigência do mercado.

Trata-se de simples registro (biodegradável), parto artesanal de fundo de garagem, dedicado aos guerrilheiros da nossa música, que nos criaram raízes: Bibi Silva, Zé Garapé, Sapinho, Cristóvão “Alô Brasil”, Laurentino, Dilú Melo, João do Vale, Dona Elza, Leonardo, Caboclinho, Antonio Vieira, Lopes Bogéa, Dona Teté, Mestre Felipe… É pouco espaço para tanto vodum.

Daí o parangolé universal do som negro, branco, tupi num cofo só: baião, modinha, choro, tambor-de-crioula, xote, samba, boi-de-zabumba e coco. De quebra, ladainha em latim, swing, hip-hop, beethoven, lampião e waldick. O quê que há?

No mais, a metamorfose do lixo (exceto o do açougue cultural) em música pelas lentes que vêem o homem e outros bichos partilharem o direito de viver com dignidade. Dignidade no lixo? O quê que tem? Lixão no Brasil é shopping para milhões de excluídos. Nada de petróleo: “O lixo é nosso!” – grito não nacionalista que sobrou para reciclar a alma e a fome, longe do zero.

Depois dos sapos (engolidos), antas e záccaros habituais no sanatório fonográfico, dilacerando os pulmões e o saco, renovei a convicção de que a música não pode ser condenada ao pôquer das vaidades. É substância livre vazando do coração, que não cabe num descartável CD, fácil de ser encontrado em qualquer lixão do país. Reciclem tudo e divirtam-se.

*

Cesar Teixeira escreveu o texto acima no encarte de seu disco de estreia, Shopping Brazil (2004), para apresentá-lo. A capa do disco é essa aí:

Este é o meu, notem a dedicatória: “Zema, enfim o lixo vira música. Cesar Teixeira. abr.2004“. Há tempos esgotado, a ótima notícia: o disco está disponível para download aqui. Quê que há? ‘Tá esperando o quê? Baixa logo!

Autor: Zema Ribeiro

Homem de vícios antigos, ainda compra livros, discos e jornais. Pai do José Antonio. Apresenta o Balaio Cultural (com Gisa Franco, aos sábados, das 13h às 15h, na Rádio Timbira AM) e o Radioletra (com Suzana Santos, aos sábados, às 20h45, na Rádio Universidade FM e reprise na Timbira AM, às 21h). Coautor de "Chorografia do Maranhão" (Pitomba!, 2018) e autor de "Penúltima página: Cultura no Vias de Fato" (Passagens, 2020). Antifascista.

6 comentários em “O LIXO É NOSSO!”

  1. rs, fiquei assustada com o “no início dos anos 70” pensando que cê tinha errado a data… pra depois, no fim, ver que o escrito não era teu, homem!

    e laiá

    fiz texto no blog, porque vc pediu ;)

    beijos

diga lá! não precisa concordar com o blogue. comentários grosseiros e/ou anônimos serão apagados

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s