Papoético discute arte e cultura

[Vias de Fato, fevereiro/2011]

POR ZEMA RIBEIRO

Nos e-mails em que divulga a ideia, Paulão, como é mais conhecido o poeta e jornalista Paulo Melo Sousa, sempre termina com um apelo: “vá e leve mais um destrambelhado junto”. Assim o Papoético, realizado há pouco mais de dois meses, tem visto seu público crescer a cada quinta-feira.

O Chico Discos, que abriga a roda de conversa informal, parece ainda menor do que é, e quem chega “atrasado” acaba ouvindo o papo de pé – alguns ficam ali encostados pelo balcão, a degustar bebidas e petiscos vendidos por Chiquinho. Literatura, música, cinema, teatro, artes plásticas, quadrinhos, política e gestão cultural, entre outros assuntos, têm sido discutidos, descontraidamente.

Mentor dos encontros, Paulão assume o papel de animador das conversas, espécie de moderador informal. Não que ele não leve o Papoético a sério. Leia a seguir a entrevista que ele concedeu ao Vias de Fato.


Foto: divulgação

ENTREVISTA: PAULO MELO SOUSA

Vias de Fato – Como surgiu a ideia do Papoético? Paulo Melo Sousa – Ultimamente, os artistas de São Luís estão bastante dispersos, cada um cuidando da sua vida, de seus projetos pessoais, acabaram-se os antigos redutos da boemia, locais onde era possível ainda encontrar pessoas interessadas em cultura e se conversar um pouco sobre arte. Nos anos oitenta, quando integrei o Grupo Poeme-se [1985-1994], tive a ideia de realizar saraus literários que viraram recitais de poesia e que evoluíram para performances poéticas. Na época, o Poeme-se chegou a montar um espetáculo com 40 minutos de duração, em 1993. Foi uma performance a partir de colagens que fiz do trecho de um dos cantos do livro O Guesa, de Sousândrade, chamado O Inferno de Wall Street. Então, aqueles saraus renderam muito, e proporcionaram grandes encontros que se tornaram fortes amizades, como é o caso dos poetas Eduardo Júlio, Dyl Pires, Ricardo Leão e tantos outros. Dessa forma, resolvi reativar esse movimento agora no final de 2010, em novembro, e cada vez mais os artistas estão aderindo e os encontros estão cada vez mais animados, o que mostra que muita gente estava também a fim de se encontrar e discutir arte e cultura.

O Papoético começou despretensiosamente e vem, a cada quinta-feira, reunindo um público maior, tornando pequeno o Chico Discos, sebo que o abriga. A que você credita o sucesso das sessões de debate-papo? Como falei acima, acho que o pessoal estava sentindo essa necessidade de se encontrar. Os temas são estimulantes, provocantes até, em certos momentos polêmicos, o que tem excitado os participantes. O Chiquinho tem um ambiente agradável, um som de primeira qualidade, criterioso. Ali se escuta de Thelonious Monk a Paco de Lucia, de Astor Piazzolla a Joaquín Rodrigo, de Adoniran Barbosa a Marisa Monte, Arnaldo Antunes, coisa de primeira. E tem o estimulante, uma cachaça mineira, uma cerveja gelada, e até absinto para os mais afoitos…O ambiente é agradável, a maioria são pessoas amigas, contudo, novas amizades estão surgindo nesse ambiente, como aconteceu na época do Poeme-se. De qualquer forma, nunca sou despretensioso…

Apesar do nome, a proposta do Papoético é discutir diversos assuntos relacionados à cultura, artes e outras áreas do conhecimento: literatura, música, cinema, teatro, artes plásticas. Este objetivo vem sendo atingido? Sim, ao final de cada encontro peço sugestões de novos temas de forma democrática, e sempre surgem propostas estimulantes. Também estamos atentos ao que vem ocorrendo na cidade em termos de produção cultural, quando acontece um lançamento de livro chamamos o escritor para falar sobre seu trabalho. Recentemente, Celso Borges, Bruno Azevedo e outros lançaram a revista Pitomba e, logo em seguida, eles foram convidados para falarem sobre o projeto. No momento, está acontecendo um movimento de vários artistas na Fonte do Ribeirão chamado Fonte Viva. Estão sendo realizadas ações de denúncia sobre o abandono desse monumento pelas autoridades e nós iremos debater essa questão do patrimônio histórico como um todo em breve. São Luís completará 400 anos daqui a pouco mais de um ano e não se ouve nada das autoridades até agora sobre o assunto…

Apesar de sempre destacar o nome de uma ou duas figuras para conversar sobre determinado assunto, o Papoético é bem democrático, com todos falando e ouvindo, a experiência acaba se tornando um aprendizado coletivo. Como se dá a escolha dos, digamos assim, palestrantes? Tudo é feito de forma democrática, e não nos preocupamos também com o tema, pois sabemos que sempre haverá assunto interessante para ser debatido ali. São Luís cresceu muito em termos de produção cultural em relação a 20 anos atrás. O que sempre faltou, e agora não é diferente, é discutir com proficiência essa produção, discutir a cidade. O Papoético facilita essa possibilidade…

Onde o Papoético vai descambar? Ou, melhor perguntando, há pretensões tuas para o Papoético, no sentido de o encontro gerar algo como uma revista, um festival ou coisa parecida? Como se costuma dizer na gíria, vamos deixar rolar…a criança ainda está verdinha, cheirando a leite. Já se sugeriu ali, acho que foi o Luís Mello, que se fizesse um blog. É uma ideia, vamos ver quem vai assumir a paternidade da proposta…

Como você analisa o cenário da literatura maranhense hoje? Tanto em termos de nomes, individualmente, como de acontecimentos, a exemplo das Feiras do Livro, do surgimento da revista Pitomba, e mesmo do Papoético. A Feira do Livro de São Luís, para mim, foi um fracasso nas suas duas últimas edições, algo sem tesão, como se fosse uma obrigação. Não vi um escritor que não tenha reclamado da organização, algo mixuruca em relação aos eventos da administração anterior. Não que eu esteja aqui defendendo a gestão do ex-prefeito, que foi precária em vários aspectos. No entanto, reconheço que o trabalho da Lúcia Nascimento foi primoroso. Trazer nomes como Ariano Suassuna, Arnaldo Antunes, Afonso Romano de Sant’anna, dentre tantos outros é o que conta, o que interessa. Trouxeram agora o pré-fabricado Fabrício Carpinejar, que falou o tempo todo da namorada, num discurso evangélico no estilo do fanfarrão Silas Malafaia, foi o cúmulo, uma grande bobagem. Tive que sair às pressas para não vomitar… Sou alérgico ao supérfluo… Não vou falar do Papoético, deixo isso para quem quiser comentar. Vejo novos nomes na literatura maranhense despontando já como escritores de peso, o que considero muito importante, muitos poetas novos, muitos prosadores com uma linguagem vigorosa, outros abrindo espaço. Na literatura infantil, estamos bem servidos, é a minha opinião. Tem gente aqui que estaria bem situado no cenário nacional se estivesse morando e produzindo no eixo Rio-São Paulo.

E o cenário do jornalismo? O jornalismo impresso é amordaçado pela autocensura nos jornais tradicionais. Poucos escapam, já que a sobrevivência fala mais forte e quem manda são os donos das empresas jornalísticas. Alguns alternativos sobrevivem a duras penas, e ainda são uma opção possível para se exercer um jornalismo que mereça esse nome. Hoje, penso que os blogs são a grande saída para se fazer algo de forma independente e realmente significativa em termos de jornalismo sério e independente.

&

O primeiro Papoético de março, dia 3, debatepapeará sobre Poesia, cujo dia nacional é celebrado em 14 de março. Poetas habituès do encontro semanal, como Celso Borges, Eduardo Júlio, Bioque Mesito, Rosemary Rego, Lenita Estrela de Sá, Josoaldo Rego, Lúcia Santos e outros, conversarão sobre o assunto com o público presente. Lembrando: o Papoético acontece às quintas-feiras, às 19h, no Chico Discos (Rua Sete de Setembro, Centro, quase esquina com Afogados). De graça (os presentes pagam apenas o que consomem).

Autor: Zema Ribeiro

Homem de vícios antigos, ainda compra livros, discos e jornais. Pai do José Antonio. Apresenta o Balaio Cultural (com Gisa Franco, aos sábados, das 13h às 15h, na Rádio Timbira AM) e o Radioletra (com Suzana Santos, aos sábados, às 20h45, na Rádio Universidade FM e reprise na Timbira AM, às 21h). Coautor de "Chorografia do Maranhão" (Pitomba!, 2018) e autor de "Penúltima página: Cultura no Vias de Fato" (Passagens, 2020). Antifascista.

4 comentários em “Papoético discute arte e cultura”

diga lá! não precisa concordar com o blogue. comentários grosseiros e/ou anônimos serão apagados

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s