Feliz aniversário, Igor!

Com o amigo Igor de Sousa, o perro borracho DP. Foto: acervo pessoal
Com o amigo Igor de Sousa, o perro borracho DP. Foto: acervo pessoal

 

A primeira vez que eu “discotequei” na vida foi a convite dele. Ele namorava a Clara e a festa foi na casa dela. Era a despedida deles, que iam se mudar para Santa Catarina, onde ambos cursariam o mestrado.

O pai dele estava e elogiou algumas sequências, sobretudo quando eu descambava para a música maranhense – eu me equilibrando entre agradar os presentes, atendendo pedidos, e tentando rolar coisas estranhas, novas, diferentes, enfim, apresentar sons (que nem sempre agradam a todos). “16 toneladas”, “meu velho”, “o botafoguense” – ele também um –, como ele sempre se referia ao próprio pai, primeiro número com rosto e nome que conheci nas tristes estatísticas desta pandemia.

Conheci-o num destes acasos da vida. Eu trampava, à época, de assessor de comunicação na Cáritas Brasileira Regional Maranhão quando ele chegou, estudante de Ciências Sociais, para estagiar. À época, sua concentração total era em livros acadêmicos. Lia basicamente as coisas da área e afins.

Nos papos que não demoraram para acontecer, muitas vezes para além do expediente, entre minha casa e os bares da ilha, ele demonstrou interesse (e conhecimento) em poesia e prosa de ficção, além de música – do que minhas estantes eram abarrotadas. Trocávamos livros, discos e todo tipo de informação.

Exímio analista político, uma vez me ganhou uma grade de cerveja numa aposta: eu havia dito que, em determinada eleição municipal em São Luís, o PSol teria mais votos que o PSTU; ele apostou o contrário e bebemos juntos.

Adotei-o como a uma espécie de irmão mais novo, celebrando suas vitórias, sofrendo com a falta dos encontros quando ele andou morando fora.

“Fundamental!”, ele exclamava quando queria dizer que algo era muito bom. “Rapaz, esse disco é fundamental”, “fundamental esse livro”, etc., espécie de bordão que acabei também adotando.

Juntos éramos Los Perros Borrachos, com erro de espanhol e tudo, e juntos fizemos algumas entrevistas, como, por exemplo, as hilariantes entrevistas (ambas regadas a cerveja, como bons discípulos da patota do Pasquim que somos) de Marcos Magah e com os editores da revista Pitomba!, Bruno Azevêdo, Celso Borges e Reuben da Cunha Rocha.

Cato na memória estas lembranças, correndo o risco de soar autoelogioso ou de falar mais de mim que do amigo. Tirador de onda que só ele, acabou apelidado DP, depois de me dizer que o primeiro e-mail de sua vida, ainda ali pelo fim da infância, tinha as palavras desajustado e punk antes da arroba.

Hoje é aniversário de Igor de Sousa, amigo-irmão “fundamental”. Quero desejar-lhe feliz aniversário, apesar da tristeza que, espero, é momentânea.

Que tua gargalhada e gaiatice continuem a ecoar pelas calçadas e noites da ilha!

Autor: Zema Ribeiro

Homem de vícios antigos, ainda compra livros, discos e jornais. Pai do José Antonio. Apresenta o Balaio Cultural (com Gisa Franco, aos sábados, das 13h às 15h, na Rádio Timbira AM) e o Radioletra (com Suzana Santos, aos sábados, às 20h45, na Rádio Universidade FM e reprise na Timbira AM, às 21h). Coautor de "Chorografia do Maranhão" (Pitomba!, 2018) e autor de "Penúltima página: Cultura no Vias de Fato" (Passagens, 2020). Antifascista.

diga lá! não precisa concordar com o blogue. comentários grosseiros e/ou anônimos serão apagados

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s