“Botei todos os fracassos nas paradas de sucesso”

Durante o período de isolamento social imposto pela pandemia da covid-19 participei de dois editais/concursos: o de minicontos do Itaú Cultural, cujo texto com que concorri já compartilhei por aqui com os poucos mas fiéis leitores; e o 8º. concurso de poemas das farmácias Pague Menos.

Não ganhei nem um nem outro (neste último nem algum prêmio em dinheiro para os cinco primeiros lugares, nem a participação na coletânea para os 100 primeiros); mas roubo o verso de Caetano Veloso, de uma de minhas faixas prediletas [Épico] de um de meus discos prediletos [Araçá azul, de 1972] do velho baiano, para mostrar-lhes o poema com que concorri, já que não escrevo nada para gavetas, sejam poemas, letras de música, matérias, reportagens ou entrevistas, não necessariamente nessa ordem.

O poema é, obviamente, dedicado a Guta Amabile, com amor, e o título decorre do tema da edição do concurso este ano, “Viva plenamente”.

AMOR PLENO

Andar pela calçada,
nós dois de mãos dadas
sentindo os pingos da chuva
molharem as lentes.
Beijo-te e tudo embaça
e no banco molhado da praça
sinto-me vivendo plenamente.

A vida só faz sentido
se vivida com intensidade.
De você, quero amor,
passado ficou na saudade.
Dor se cura com remédio,
aventura cura tédio,
mas ficção não cura realidade.

Por isso digo agora
o que quero para sempre.
Quero o teu amor
para poder viver plenamente.
Nada adianta pelo meio:
você, minha metade, me faz cheio.
Contigo eu quero ser eternamente.

Autor: Zema Ribeiro

Homem de vícios antigos, ainda compra livros, discos e jornais. Pai do José Antonio. Apresenta o Balaio Cultural (com Gisa Franco, aos sábados, das 13h às 15h, na Rádio Timbira AM) e o Radioletra (com Suzana Santos, aos sábados, às 20h45, na Rádio Universidade FM e reprise na Timbira AM, às 21h). Coautor de "Chorografia do Maranhão" (Pitomba!, 2018) e autor de "Penúltima página: Cultura no Vias de Fato" (Passagens, 2020). Antifascista.

2 comentários em ““Botei todos os fracassos nas paradas de sucesso””

  1. Bota pra fora. Já mais pro fim da adolescência, quando paquerava uma garota, enviava poemas alheios(Fernando Pessoa, Ferreira Gullar, Mario Quintana, Manoel Bandeira, Cecília Meireles…), mas não dizia quem era o autor pra que ela pensasse que eram meus. As vezes, fazia uma salada com vários trechos de poemas de autores diferentes, “criando” um novo poema. Se tiver uma recaída, vou enviar esse teu poema, mas vou dizer que é seu, com o advento da internet ficou dificil….

diga lá! não precisa concordar com o blogue. comentários grosseiros e/ou anônimos serão apagados

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s