Literalmente antológico

Sambantologia. Capa. Reprodução
Sambantologia. Capa. Reprodução

 

A pergunta “letra de música é poesia?” ainda é ouvida aqui e acolá e uma das respostas possíveis é o exercício de separar letra e música e verificar se a primeira tem força para sobreviver sem a segunda. Isto é: há casos e casos.

O exercício contrário, no entanto, quase nunca se faz. Sobrevive a música sem sua poesia, no caso de uma música originalmente com letra ser tornada instrumental? A resposta será parecida à do exercício anterior.

Em Sambantologia [Biscoito Fino, 2016], os bambas do Nó em Pingo d’Água recriam instrumentalmente nove temas de nomes seminais do samba. O único originalmente sem letra é Nanã (Moacir Santos e Mário Telles), que a rigor nem samba é.

Mas esqueçam os rótulos pois é justo o que fazem Celsinho Silva (percussão), Mário Sève (flauta e saxofone), Rodrigo Lessa (bandolim e violão de aço) e Rogério Souza (violão), com a adesão de Romulo Duarte (contrabaixo).

É um disco para celebrar o centenário do samba, cujo marco é a gravação de Pelo telefone (Donga e Mauro de Almeida) em 1916 e seu estouro no carnaval do ano seguinte. Não à toa é sua cadência amaxixada que abre o disco.

O título do álbum justapõe três palavras: samba, banto e antologia. Doutor em Musicologia pela Universidade de Tours, França, Carlos Sandroni assina um ótimo texto remontando às origens do samba, o gênero e a palavra, terreiro cheio de incertezas.

O Nó em Pingo d’Água – que tampouco tem este nome à toa – reprocessa outras pérolas das mais variadas vertentes, já que é impossível falar em samba no singular, tantas são as ramificações deste irmão do choro – terreno lembrado nas execuções do grupo, oriundo desta praia.

Obviamente não há pretensão do grupo em fechar a questão: uma antologia de samba poderia ocupar facilmente 10 discos. Ou mais. O exercício é justamente este: como dizer o máximo com o mínimo? São pérolas fundamentais para “a ascensão do gênero à condição de ícone sonoro do país”, como afirma Sandroni em uma passagem do texto do encarte.

Ismael Silva (autor de Se você jurar, em parceria com Nilton Bastos e Francisco Alves) configurou o “samba do Estácio”, qualificativo do samba que leva o nome do bairro carioca em que morava o compositor – Chico Alves, como era moda e seu feitio à época, certamente comprou sua parte na parceria. Ele comparece ao repertório ao lado de nomes como Dorival Caymmi (Samba da minha terra) e João de Barro (Copacabana, em parceria com Alberto Ribeiro).

Re/inventores do samba, Noel Rosa (Último desejo e Conversa de botequim, esta em parceria com Vadico) e Tom Jobim (Samba de uma nota só, em parceria com Newton Mendonça, e O morro não tem vez, com Vinicius de Moraes) são os únicos cujos nomes figuram mais de uma vez nos créditos.

O repertório coeso de Sambantologia é uma demonstração da grandiosidade da música brasileira. O trunfo do Nó em Pingo d’Água é não se acomodar, injetando frescor em um repertório que pode soar “batido” à primeira vista – nunca à primeira audição e às que se sucederem.

A divindade (de) Maria Bethânia

 

A palavra quintal nos faz imaginar um grande espaço de chão de terra, talvez algumas árvores, alguns varais com roupas estendidas, vez por outra amigos reunidos em uma farra.

Meus quintais [Biscoito Fino, 2014], disco novo de Maria Bethânia, traduz bem isso. Com os dois pés firmes no chão brasileiro e a voz que vem encantando o país há quase 50 anos, a baiana nos brinda com um disco diverso e bem acabado, um primor, com a qualidade que marca sua produção, em especial a mais recente.

Das 13 faixas – incluindo a extra Dindi (Tom Jobim e Aloysio de Oliveira), até então inédita em sua voz e talvez a única que destoe do restante do conjunto – quatro falam em indígenas: Xavante (Chico César), Uma Iara/ Uma perigosa Yara (Adriana Calcanhotto, com texto de Clarice Lispector editado por Bethânia e Fauzi Arap), Povos do Brasil (Leandro Fregonesi) e Arco da Velha Índia (Chico César). Além dos pés fincados no terreiro, a cantora revisita as raízes do Brasil profundo.

Há samba, chula, Folia de Reis (título de uma das quatro músicas de Roque Ferreira que ela grava neste álbum novo), bossa nova e uma emocionante homenagem a Dona Canô – é o primeiro disco lançado por Bethânia após o falecimento da mãe – com a regravação de Mãe Maria (Custódio Mesquita e David Nasser).

Um de seus compositores prediletos, entre os mais gravados em sua mais recente safra discográfica, o baiano Roque Ferreira assina ainda Casa de caboclo (parceria com Paulo Dafilim), Candeeiro velho (com Paulo César Pinheiro) e a dobradinha Imbelezô eu/ Vento de lá.

Nome ausente da ficha técnica é o de seu maestro há muitos anos, Jaime Alem. Jorge Helder (contrabaixo) assina com ela a criação geral do disco. Outros músicos que comparecem são André Mehmari (piano), João Gaspar (violão e guitarra portuguesa), Marcelo Costa (percussão), Maurício Carrilho (violão), Toninho Ferragutti (acordeom), Luciana Rabelo (cavaquinho), João Lyra (viola) e Celso Silva (percussão), entre outros, além dos músicos do Tira-Poeira, responsáveis pelo arranjo de Lua bonita (Zé Martins e Zé do Norte): Fábio Nin (violão sete cordas), Pedro Franco (violão) e Henry Lentino (bandolim).

Outro nome que volta a comparecer é o do falecido compositor Paulo Vanzolini, autor do megassucesso Ronda (gravado por ela em Álibi, de 1979): Moda da onça é um tema folclórico recolhido por ele.

Embalando tudo um belo encarte onde se vê que a arte de Bethânia não se encerra em seu cantar – o que já bastaria. Além de fotografias de flores, desenhos de onças, a escultura de uma índia, um retrato da cantora com sua mãe emoldurando o poema “o vento que fala nas folhas/ contando as histórias que são de ninguém/ mas que são minhas e de você também”, há entalhes produzidos pela cantora.

Dory Caimmy e Paulo César Pinheiro, autores de Alguma voz, faixa que abre o disco, dão a pista: a música fale em vozes da fonte, do rio, do vento e do mar até chegar à voz de Deus. Ouvir Bethânia é sempre uma experiência próxima do divino.