Ousadia e atualidade

Maria e o Cristo, morto e nu. Foto: Valdeir Limaverde/ Divulgação

 

Paixão segundo nós é um espetáculo ousado. Se já o era quando de sua primeira encenação, há quase 30 anos, o momento político nefasto que atravessa o Brasil torna-o ainda mais.

O espetáculo gira em torno do julgamento de Cristo (Luís Ferrara), com Pôncio Pilatos (Domingos Tourinho) entre a angústia e o desespero da sentença que condena o protagonista.

Tácito Borralho (texto, direção e cenografia), sobre textos de Gibran Khalil Gibran, do Evangelho segundo Mateus e dos Evangelhos apócrifos, traz inevitavelmente o martírio de Cristo para a reflexão sobre as fake news (no fundo um eufemismo para mentiras) e a inversão de valores que se tornou comum em nossos tempos.

O espetáculo da Coteatro humaniza o Cristo, como trazendo-o à nossa realidade. Em ano de Copa do Mundo, mas não só, costumeiramente se apregoa por aí que Deus é brasileiro. Em Paixão segundo nós, mais que nunca: Cristo é negro, o diabo é homem (Raimundo Reis) e mulher (Isa Everton), Maria (Lúcia Gato), mãe de Cristo, também é negra.

A dramaturgia de Tácito Borralho corajosamente nos faz lembrar que o filho de Deus era, no fundo, um defensor das minorias – ou dos direitos humanos, expressões que causam reações quase sempre virulentas nos que se dizem cidadãos de bem.

ServiçoPaixão segundo nós estreou hoje (27), Dia Mundial do Teatro, e fica em cartaz amanhã (28) e quinta-feira santa (29), sempre às 20h, no Teatro Arthur Azevedo (Rua do Sol, Centro). Os ingressos, à venda na bilheteria do teatro, custam R$ 40,00 e R$ 20,00 (meia entrada para estudantes e demais casos previstos em lei).

Coteatro reencena Espectrofúria

Cena da montagem original do Laborarte, em 1972. Foto: http://historiadoteatromaranhense.blogspot.com.br
Cena da montagem original do Laborarte, em 1972. Foto: http://historiadoteatromaranhense.blogspot.com.br

 

Espectrofúria, teatralização da prosa poética do pernambucano Eduardo Lucena, volta a ser encenada, sob direção de Tácito Borralho, mais de 40 anos depois da montagem original.

Em 1972 o recém-fundado Laboratório de Expressões Artísticas do Maranhão (Laborarte) recebeu o prêmio de Melhor Plasticidade no Festival Nacional de Teatro Jovem, em Niterói/RJ, pela peça, cuja encenação é inspirada nas teorias de Grotowski.

Entre outros nomes da ficha técnica, à época, estavam Regina Telles (coreografia), Sérgio Habibe e Pipiu (som) e Murilo Santos (iluminação). Este último permanece na mesma função na ficha técnica de 2014.

A montagem, agora realizada pela Companhia Oficina de Teatro (Coteatro) estará em cartaz no Teatro João do Vale (Rua da Estrela, Praia Grande), de amanhã (22) até 1º. de novembro, sempre às 20h30 – ingressos à venda na bilheteria do teatro, R$ 20,00 (20% dos ingressos poderão ser trocados por um quilo de alimento não perecível, exceto sal, entre 17h e 18h30). A temporada tem patrocínio da Companhia Energética do Maranhão (Cemar), através da Lei Estadual de Incentivo à Cultura.

“Como em nossos lixões e periferias mais retiradas e sofridas, as cenas apresentam fragmentos de um canibalismo inumano. Essa ópera-bufa mergulha no grotesco pútrido e mostra, como num pesadelo, a lasciva esfolada das ordens, disciplinas e recatos pudicos. E, como num uivo atemporal, revela a nada oculta relação de desprezo contido nessa dicotomia poder e miséria”, resume o texto de divulgação da peça.

“Procure você mesmo encontrar em sua codificação própria, de ver o que se desenrola em seu castelo medieval cheio de teias de aranha, morcegos e espectros (não de homens), de cães esqueléticos e famintos, insaciavelmente, buscando matar sua fome de ser e realizar-se”, escreveu o teatrólogo Tácito Borralho no programa da peça, em 1972.

Andreia Mendonça, Bruno Oliveira, Carla Purcina, Cristian Ericeira, Eduardo Medeiros, Fernanda Marques, Fran Colins, Gabriel Braga, Glaydson Castro, Isa Ewerton, Lílian Cutrim, Luciano Teixeira, Luís Ferrara, Luna Gandra, Marcelo Augusto, Mário de Jesus, Maxlow Furtado, Rafael Jovovick, Rogério Vaz e Stephany Sousa formam o elenco da peça, que se completa com a participação especial de Tarciso Sá, que atuou na montagem original.

Ensaio para a montagem da Coteatro em 2014. Foto: divulgação
Ensaio para a montagem da Coteatro em 2014. Foto: divulgação