Skarnaval

A OBMJ na capital brasileira do reggae. Foto: Projeto BR135
A OBMJ na capital brasileira do reggae. Foto: Projeto BR135

 

Na mesa de que tive a honra de participar na programação do Conecta Música – evento de formação paralelo ao Festival BR135 – Roberta Martinelli, comentando sua trajetória e os embates constantes pela manutenção do que idealizou para seu programa Cultura Livre, lembrou a resposta que deu a um “você nunca traz uma banda grande” que ouviu de alguém. “Trago sim, já trouxe a Orquestra Brasileira de Música Jamaicana, a Filarmônica de Pasárgada, o Bixiga 70”, enumerou, bem humorada.

A Orquestra Brasileira de Música Jamaicana – ou simplesmente OBMJ para os íntimos – aterrissou no palco da Praça Nauro Machado, ontem (11), trazendo ao público ludovicense sua adaptação de repertório brasileiríssimo a ritmos como reggae, ska e rocksteady.

Martinelli está certa: é uma grande banda e uma banda grande. São nove músicos, o naipe de metais tem cinco sopros. Elegantemente trajados, uns de terno, outros de boina, todos de gravata, dançavam em engraçadas coreografias. Em determinado momento me peguei pensando se eles nunca erraram e o trombonista acertou um companheiro do lado – ontem, não.

Entre versões instrumentais e cantadas, clássicos da música brasileira vertidos à Jamaica: Pagode russo (Luiz Gonzaga), Carinhoso (Pixinguinha/ João de Barro), Águas de março (Tom Jobim), Tico-tico no fubá (Zequinha de Abreu), Sítio do pica-pau amarelo (Gilberto Gil), Trem das onze (Adoniran Barbosa), País tropical (Jorge Ben) e Deixa a gira girar (Mateus Aleluia/ Dadinho), sucesso dos Tincoãs regravado por eles e uma pá de gente da mpb.

Hugo Hori (sax e flauta), ex-Karnak e com longa folha de serviços prestados à música brasileira, substituiu um membro que não pode vir à São Luís. A interação com os colegas de banda e público foi tão perfeita que nem parecia tratar-se de um “reserva” – ainda que da categoria “amuleto”, qual um Tupãzinho no Corinthians do início dos anos 1990.

O final foi apoteótico, um “skarnaval”, como anunciou Sérgio Soffiatti (voz e guitarra), antes de emendarem um medley com Aurora (Mário Lago/ Roberto Roberti), Chiquita bacana (João de Barro/ Alberto Ribeiro), O teu cabelo não nega (Lamartine Babo/ João Victor Valença/ José Raul Valença) e Frevo mulher (Zé Ramalho). Quem foi ao show dançou; quem não foi, “dançou”.

O paraíso sonoro de Russo Passapusso

Paraíso da miragem. Capa. Reprodução
Paraíso da miragem. Capa. Reprodução

 

Russo Passapusso e Curumin foram apresentados um ao outro por BNegão. O primeiro participou do terceiro disco do segundo, Arrocha, lançado em 2012, justamente a primeira vez que ouvi (falar d)o primeiro.

Este ano foi a vez de Curumin retribuir a simpatia musical: o baterista de Arnaldo Antunes toca (teclado, bateria, percussão, programação, violão) e produz (com o guitarrista Lucas Martins e o baixista Zé Nigro) Paraíso da miragem, estreia solo de Passapusso, baiano de Feira de Santana à frente de experiências como o BaianaSystem. O título é verso de Paraquedas, faixa que abre o disco (veja clipe ao final do post).

Qual Curumin, Passapusso é um verdadeiro liquidificador de influências, reprocessando-as e dando aos ouvintes um disco de sonoridade original, fazendo ao mesmo tempo música para pensar e dançar.

Paraíso da miragem passeia entre rock, rap, afoxé, samba e eletrônico, com letras entre a azaração da pista e o engajamento. Anjo está na primeira categoria: “me deu vontade de calar tua boca/ me deu vontade de rasgar tua roupa/ me deu vontade de te chamar de louca/ mas a vontade é muita e a coragem é pouca/ me deu vontade de fazer mandinga/ promessa pra você, mulher/ mas é que todo dia um anjo cai do céu”, provoca a letra. Sangue do Brasil, na segunda: “O sangue do Brasil vai pelo chão/ subiu o morro, prestou socorro/ mais um do povo morreu tão novo/ botou escuta, filho da puta/ do outro lado um deputado/ descarado, nem se esconde/ se acha santo feito um monge/ e o meu sangue aqui no morro”, revela, trágico e dançante.

MC Passapusso assina todas as faixas do disco, Areia, parceria com Tatiana Lírio, em que pontua o refinado violão sete cordas de Rodrigo Soares, e Autodidata, com BNegão e Fael Primeiro, que fecha o disco.

Outros nomes interessantes que comparecem ao encarte do disco – disponível para download gratuito ou compra do vinil no site do artista – são Marcelo Jeneci (teclados), Edgar Scandurra (guitarra em Remédio), Anelis Assumpção (voz em Sem sol), Edy Trombone, Thalma de Freitas (voz em Sapato), Hugo Hori (sax em Sapato), Tiquinho (trombone em Sapato) e BNegão (voz em Autodidata), entre outros.

Com Paraíso da miragem Russo Passapusso consagra-se em definitivo como um dos nomes merecedores de atenção da, vá lá, nova música popular brasileira.