O espírito de Itamar

Isca – Volume 1. Capa. Reprodução

“Caiu no samba é pra sambar”, anuncia e “arrisca” Arisca (Péricles Cavalcanti), faixa que abre Isca – Volume 1 [Elo Music/ Boitatá, 2017], disco da Isca de Polícia – reafirmo: melhor nome de banda do Brasil em todos os tempos –, banda do mitológico Itamar Assumpção, em título que abre as esperanças do fã clube: vem um segundo volume por aí? Tomara!

Nome da linha de frente da vanguarda paulista, Itamar Assumpção nunca hesitou ousar, guinadas como se fossem dribles, menos conhecido do que merecia em vida e mesmo agora quando é saudade, o alto preço de ser gênio e independente por não admitir concessões. Em suma: um artista livre.

O Nego Dito, o Beleléu, no entanto, deixou marcas e este Isca – Volume 1 é uma prova. Uma constelação de pares e discípulos se reúne em merecida homenagem ao mestre. Um tributo à altura.

Paulo Lepetit (contrabaixo e vocais), Marco da Costa (bateria e vocais), Jean Trad (guitarra e vocais), Luiz Chagas (guitarra e vocais), Vange Milliet (voz e vocais) e Suzana Salles (voz e vocais) formam a Isca de Polícia, contando ainda com os luxuosos auxílios de Hugo Hori (saxofones em É o que temos, é o melhor e Eu é uma coisa), Tiquinho (trombone em É o que temos, é o melhor e Eu é uma coisa) e Adriano Magoo (teclado em Eu é uma coisa), além das participações especiais de Bocato (trombones em Meus erros) e dos compositores Arnaldo Antunes (Xis, parceria com Paulo Lepetit), Zeca Baleiro (É o que temos, é o melhor, parceria com Paulo Lepetit) e Tom Zé (Itamargou), cujas vozes se ouvem, respectivamente, nas faixas de suas autorias.

Mais ou menos conhecidos, são grandes mestres da música brasileira, nas mais diferentes searas. Ainda assim, é como se fosse o resultado de uma turma aplicada em uma oficina de poesia e música ministrada por Itamar Assumpção: cantores/as, compositores/as e instrumentistas encarnaram o espírito do saudoso tieteense. Ao ouvir o álbum, não raro nos surpreendemos pensando que suas faixas bem poderiam ter sido compostas pelo autor de Pretobrás.

“Este trabalho é dedicado a Itamar Assumpção”, avisa o encarte numa redundância intencional: o espírito do homenageado está presente, melódica e poeticamente, e no reencontro de parceiros das antigas, por exemplo Alice Ruiz (Eu é uma coisa, parceria com Paulo Lepetit) e Arrigo Barnabé (Meus erros, parceria com Paulo Lepetit).

As chuteiras do Itamar (Paulo Lepetit/ Vange Milliet/ Ortinho) é permeada de metáforas futebolísticas e do jeito de ser de Itamar Assumpção, citando-lhe apelido e bandas. “Mas o que eu queria era ter feito uma canção/ que amarrasse as chuteiras do Itamar Assumpção”, a letra encerra. Fizeram um disco inteiro. De craques para craque, o mestre certamente se sentiria lisonjeado com o respeitável tributo.

*

Confiram trecho da participação da Isca de Polícia no Cultura Livre, de Roberta Martinelli, em As chuteiras do Itamar (Paulo Lepetit/ Vange Milliet/ Ortinho):

A entrega total de Tulipa Ruiz

[O Estado do Maranhão, Alternativo, hoje]

Cantora esbanjou talento e simpatia, em comunhão com público que lotou o Teatro Arthur Azevedo

Fotosca: Zema Ribeiro
Fotosca: Zema Ribeiro

ZEMA RIBEIRO*
ESPECIAL PARA O ALTERNATIVO

Tulipa Ruiz voltou à São Luís para um show no Teatro Arthur Azevedo, completamente lotado, terça-feira (13), pelo projeto MPB Petrobrás. A apresentação encerrava uma pequena turnê da cantora e compositora por diversas capitais do Nordeste.

A abertura ficou por conta da cantora Ticiana Valente, acompanhada pelo marido, Rodrigo Valente, ao teclado. Desfilou um repertório mais que óbvio: Carinhoso (Pixinguinha e João de Barro), Gente Humilde (Chico Buarque, Garoto e Vinicius de Moraes), Proposta (Roberto Carlos e Erasmo Carlos), Olha (Roberto Carlos), Gostoso demais (Dominguinhos e Nando Cordel), Brincar de viver (John Lucien e Guilherme Arantes) e Sá Marina (Tibério Gaspar e Antonio Adolfo) – as seis primeiras do repertório de Maria Bethânia.

No quinto número convidou a plateia – “quem sabe canta comigo essa música” –, na sexta dançou, dedicou sua apresentação a um sobrinho que estava nascendo – “quero que ele já venha ouvindo música boa” – e agradeceu a dedicação do marido – “meu companheiro de todas as horas”. Faltou pesquisa para garantir alguma liga com o show principal.

Tulipa subiu ao palco escoltada por Márcio Arantes (contrabaixo), Caio Lopes (bateria), Gustavo Ruiz (guitarra) e Luiz Chagas (guitarra), seu pai, ex-Isca de Polícia, mítica banda que acompanhou Itamar Assumpção.

Com dois discos lançados, Efêmera (2010) e Tudo tanto (2012), Tulipa não demorou a conquistar um seleto e fiel público no Brasil. É artista “nova”, talentosa, completa: desenhou a capa de seu disco de estreia, é compositora e cantora afinada, rara, dramática, de recursos extraordinários. Feito aquele craque que faz o que quer com a bola, colocando-a onde quer, ela faz o que quer com a voz, chegando – e fazendo a plateia chegar – a lugares nunca imaginados.

Tulipa canta para se/nos divertir: no palco sua entrega é total, tornando-se o personagem-título de uma música sua do primeiro disco: “Pedrinho parece comigo/ mas bem resolvido com sua nudez”. No palco Tulipa é livre feito um passarinho ou qualquer mortal comum sob o chuveiro – não à toa, a determinada altura do show, enrolou a toalha com que enxugava o suor nos cabelos e continuou fazendo o que sabe.

Profunda conhecedora do repertório, a maioria absoluta da plateia vibrava a cada introdução, cantando junto e aplaudindo freneticamente os agudos de Tulipa. Artista e seu público estavam em perfeita comunhão, num repertório que mesclou músicas de seus dois discos à inédita Megalomania (disponível para download em seu site), pedida em coro por boa parte dos presentes, séria candidata a hit com os dois pés no Pará do carimbó.

Para delírio da plateia não faltaram É, Ok (parceria com Gustavo Ruiz), Quando eu achar (idem), Pedrinho, Like this (com Ilhan Ersahin), Víbora (com Criolo, Caio Lopes, Gustavo Ruiz e Luiz Chagas), A ordem das árvores, Sushi (parceria com Luiz Chagas), Às vezes (Luiz Chagas), a única música do set não assinada por ela, Só sei dançar com você e Cada voz, não necessariamente nessa ordem e certamente com algum lapso do repórter que não fez anotações. No bis, Tulipa mandou ver Efêmera e repetiu a É com que abriu o show.

Esbanjando simpatia, Tulipa revelou-se emocionada em estar ali, elogiou a beleza do Teatro Arthur Azevedo, e brincou dizendo que ensaiaria uma ária para cantar quando voltasse – e soltou um agudo, para diversão de todos, inclusive de si mesma. A depender da empolgação e satisfação das quase 700 almas que a prestigiaram anteontem, esta noite não demorará a chegar.

Nove anos sem Itamar Assumpção

Pra quem ainda não conhece, ótima chance. Pra quem já, bela lembrança: um show dele, acompanhado de sua banda Isca de Polícia (um dos mais criativos nomes de banda em toda a história da música), de 1983, transmitido pela TV Cultura. Abaixo, em cinco partes. Saudades!

Via @dafnesampaio.