Arquivo da tag: paulinho pedra azul

RicoChoro ComVida se consolida no calendário cultural de São Luís

Próxima edição do projeto acontecerá 3 de outubro, no Barulhinho Bom

O passeio de Célia Maria acompanhada pelo Trítono Trio, então um quinteto. Foto: Rivanio Almeida Santos
O passeio de Célia Maria acompanhada pelo Trítono Trio, então um quinteto. Foto: Rivanio Almeida Santos

 

O DJ Pedro Sobrinho registrou a emoção com o convite. Jornalista de formação, escreveu em seu blogue, dois dias após a segunda edição de RicoChoro ComVida (sábado, 5 de setembro): “um momento de realização pessoal e profissional”, declarou, agradecendo ao produtor Ricarte Almeida Santos a oportunidade de participar do projeto, num texto que acaba por se transformar em um manifesto contra os preconceitos que puristas têm por DJs.

Célia Maria e os integrantes do Trítono Trio também registraram deferências ao produtor, no palco do Barulhinho Bom (Rua da Palma, 217, Praia Grande), que abriga a temporada – mais cinco apresentações estão previstas até dezembro de 2015, a próxima tendo como atrações o grupo Urubu Malandro, a cantora Alexandra Nicolas (interpretando repertório consagrado por Carmen Miranda) e o DJ Joaquim Zion, mas isto é assunto para outro texto, específico sobre a noite de 3 de outubro próximo.

Rui Mário (sanfona) destacou a importância do projeto para a valorização da música e dos músicos do Maranhão, não só do choro. O Trítono Trio, completado por Robertinho Chinês (bandolim) e Israel Dantas (violão), na ocasião substituído por Luiz Jr. (violão sete cordas), recebeu os reforços de Ronald Nascimento (bateria) e Mauro Sérgio (contrabaixo). O resultado foi um repertório refinado em execuções idem. Nada de conformismo ou mesmice. Tico-tico no fubá (Zequinha de Abreu), por exemplo, ganhou ares de tango, sem perder a essência da música ligeira que exige habilidade e técnica apuradas de quem encara o desafio de tocá-la.

Célia Maria agradou o público ao mesclar em seu repertório, clássicos do cancioneiro nacional, músicas de seu disco de estreia e do próximo disco, ainda sem data de lançamento. Entre outras, A banca do distinto (Billy Blanco), um libelo contra o racismo, Ingredientes do samba (Antonio Vieira), Milhões de uns (Joãozinho Ribeiro), ambas de seu disco de estreia, Saiba, rapaz (Joãozinho Ribeiro), música que cantou no disco de estreia do compositor, Adeus, Billie (Cesar Teixeira), inédita que está em seu disco novo, que cita a diva jazz Holiday, e Balança pema (Jorge Benjor).

As canjas, inspiradas, contaram com as presenças de Paulo Trabulsi (cavaquinho), Luiz Cláudio (percussão) e Alberto Trabulsi (voz e violão). A exemplo da primeira edição, certamente as canjas dão ideia das edições futuras – nenhuma é igual a outra. Esta contou inclusive com a canja surpresa do mineiro Paulinho Pedra Azul, que havia feito show no Teatro Arthur Azevedo na quinta-feira anterior, celebrando os 30 anos de namoro com a capital aniversariante. Entre choros seus e de Godofredo Guedes, pai de Beto Guedes, além do clássico Jardim da fantasia, o artista não poupou elogios ao projeto e à militância chorona de seu idealizador, produtor e apresentador, além dos músicos que o acompanharam, de improviso, dizendo-se feliz em estar ali. A plateia foi ao delírio.

Com patrocínio da Fundação Municipal de Cultura (Func), Gabinete do Deputado Bira do Pindaré, TVN e Galeteria Ilha Super, apoio do Restaurante Barulhinho Bom, Calado e Corrêa Advogados Associados, Sonora Studio, Clube do Choro do Maranhão, Gráfica Dunas, Sociedade Artística e Cultural Beto Bittencourt e Musika S.A. Produções Artísticas e produção de RicoMar Produções Artísticas, RicoChoro ComVida já está consolidado no calendário cultural de São Luís: o projeto manteve um bom público, mesmo com a programação gratuita alusiva ao aniversário da capital que já acontecia na cidade.

Pedra Azul na Ponta do Bonfim

Mineiro do Vale do Jequitinhonha, nascido na cidade que carrega no sobrenome artístico, Paulinho Pedra Azul volta à São Luís para um encontro musical. Digo encontro musical em vez de apenas show por que ele é daqueles artistas que vivem a arte intensamente e em vez de simplesmente subir no palco e tocar e cantar – coisas que faz tão bem – ele gosta de interagir com o público e com os músicos, conhecendo cenas, trocando informações, aprendendo e ensinando, como cabe aos grandes.

A quem não sabe, foi de uma visita do músico à Ilha que surgiu o projeto Clube do Choro Recebe, que acabou por durar cerca de três anos, reunindo chorões e artistas da música popular no Restaurante Chico Canhoto, sob produção de Ricarte Almeida Santos (o Recado para um amigo solitário que abre o post é sua preferida da lavra do compositor). Era agosto de 2007 e Paulinho Pedra Azul foi recebido pelo Regional Tira-Teima e outros músicos em uma roda informal que acabou se tornando um acontecimento semanal cujo legado é percebido ainda hoje.

O mineiro volta à Ilha e se apresenta neste sábado (30) no projeto Por do Sol da Ponta do Bonfim. Uma iniciativa de um grupo de amigos que em julho passado presenteou alguns privilegiados com um show de Renato Braz. Privilegiados não é modo de dizer: os ingressos são limitados, apenas 100 são colocados à venda. Aliás, se os poucos mas fiéis leitores quiserem garantir um desses, corra a um dos seguintes pontos: Restaurante Chico Canhoto (Rua 3, quadra B, casa 23, Residencial Araras/ Cohama, das 11h às 15h, telefone: 3223-9001), Cândida SLZ Trajes e Acessórios (Av. dos Holandeses, 7, loja 5, Galeria Space Room, Calhau, das 9h às 19h de segunda a sexta e das 9h às 16h no sábado, telefone 3083-1683) ou Lívia Boutique (Tropical Shopping, das 9h às 21h, telefones 3235-5844 e 3235-6640).

No repertório, um passeio por sua discografia e algumas de sua predileção entre clássicos da música popular brasileira e de sua memória afetiva. O show está marcado para começar às 16h30min. Às 16h um aquecimento com música mecânica. No encerramento o talento de Marconi Rezende.

TrajetóriaJardim da fantasia, seu primeiro disco, lançado em 1982, já lhe valeria lugar no panteão entre os maiores artistas da música brasileira. Puxado pela faixa título, exalava beleza de suas criações e interpretações, como “tua boca pingava mel”, verso da faixa título.

Na estreia estavam também Godofredo Guedes (pai do conterrâneo Beto Guedes, autor do choro Cantar), Fagner (autor de Pobre bichinho) e Diana Pequeno (que com ele cantou Voarás), entre outros. Talvez seja seu disco mais conhecido, mas é vasta a obra de Paulinho Pedra Azul, também escritor e artista plástico. A quem não conhece, ótima oportunidade. A quem conhece, nem preciso dizer nada.

Uma confissão: adolescente recém-iniciado na arte de colecionar discos, durante muito tempo rodei lojas – elas existiam – e sebos em São Luís procurando a tal música que começava assim: “Bem te vi/ bem te vi/ andar por um jardim em flor/ chamando os bichos de amor”. Demorei a encontrá-lo justo por procurar uma faixa intitulada Bem te vi. Era como minha cabeça de menino chamava o Jardim da Fantasia. A “confusão” só foi desfeita depois que eu adquiri o Ao vivo em Tatuí, que reunia Renato Teixeira, Pena Branca e Xavantinho, em que eles regravaram a música.