Lula cá

Foto: Zema Ribeiro

 

Quando Luis Jorge Gonçalves dos Santos, 62 anos, responde minhas perguntas, nem vejo sua boca se mexer, oculta por uma enorme barba grisalha. É dessa semelhança física com o Lula roots candidato à presidência pela primeira vez em 1989, que ele ganhou o apelido que batiza a Barraca do Lula, há oito anos na Praça Deodoro – logradouro em que o maior líder político da América latina fez comício naquela campanha, com direito a show da banda punk Amnésia, que tinha Marcos Magah no vocal, mas isto é outra história.

Lula foi garçom, maitre de restaurante, camelô e feirante, “sempre na dificuldade”, qual o xará e sósia famoso. Quando pergunto se ele topa me dar uma entrevista rápida ele aperta minha mão e diz para deixar para uma próxima oportunidade. Espero-o atender uma moça de vestido azul que pede uma água de coco e insisto, tendo por mote a visita do presidente metalúrgico à Ilha amanhã. Ele topa e ligo o gravador por menos de 10 minutos.

“Meu pai morreu eu tinha nove anos de idade, fui criado por padrasto e caí na vida, estou aqui até hoje, graças a Deus. Minha vida é essa. Lula e Lula mesmo. Sempre votei nele e vou votar para sempre. Com muita emoção”, revela o evangélico hoje afastado da igreja, fanático pelo líder petista.

Lula é casado, tem cinco filhos, quatro netos e retira o sustento da barraca, ornamentada por frases como “se a sua estrela não brilha, não tente apagar a minha”. Ele não tem cadastro em nenhum programa social.

Por que Lula? “Pela capacidade, trabalho, honestidade, é um homem direito, trabalhou para o pobre. Não existe outro presidente sem ser ele. Em primeiro lugar, Deus, depois ele. Lula é Lula. É indo e voltando Lula. Pode viver 10 anos, 20 anos, ele pode estar preso eu voto nele”.

Pergunto se ele participará do ato amanhã (5), às 17h, na Praça Pedro II, Centro. “Estou com uma esperança louca de ir lá. Vou falar com meu filho para ficar aqui amanhã. Nem que eu feche eu vou lá amanhã”.

Sobre o governo da sucessora, comenta: “A Dilma foi uma ótima mulher, o negócio é que se entregou pro Temer. A confiança foi tão grande nele que ele traiu ela, uma mulher guerreira”. Um homem aparece pedindo para trocar 50 reais. “Não tenho”, avia Lula, que já havia tido dificuldade para tirar o coco de 20 reais. “A esperança é essa, é que Lula volte e ela volte também”, continua. “Eu espero que Lula volte, em nome de Jesus. Ninguém vai tirar ele, não tem aquele tal de Moro. Por que ele não prende Temer, que é o chefe da quadrilha? Foi tudo descoberto, mas ninguém tem coragem de prender. O que Lula fez? Dar trabalho pra pobre, colocar negro na universidade, ter casa, ter seu carro, ter sua moto, tudo. Deficiente empregado, com seus direitos”, enumera.

E como Lula avalia o governo do ilegítimo? “Péssimo, daí pra pior. Não tem pra onde correr. Um homem desses já era para estar preso. Aqui no Brasil não tem lei. Por que Lula está hoje sofrendo? Por que é guerreiro, não se entrega, e não se entrega por que não deve. Isso é um meio de tirar o homem do poder”.

Golpe após golpe, desde o que apeou Dilma Rousseff do poder, comento a possibilidade de não haver eleições em 2018. O Lula da Deodoro vaticina: “Não tem pra onde correr. Tem eleição direta, já. E o homem é Lula. Não tem ninguém para botar frente a Lula”.

Pergunto se ele já foi filiado ao Partido dos Trabalhadores e Lula revela uma árvore genealógica petista: “Meu tio era do PT, foi vereador, mas já faleceu. Era um camelô, Pilão”. No entanto não sabe precisar quando foi sua legislatura. “Faz mais de 20 anos, já”, arrisca.

“Outro que é guerreiro também, o [hoje no PcdoB e prefeito de Paço do Lumiar Domingos] Dutra. Lutou, foi perseguido por que trabalha certo. Quando se trabalha certo os maiores perseguem para tomar o poder, para fazer merda, avacalhar. Mas Deus não vai deixar”, lista colocando Dutra ao lado de Lula.

Sobre perseguidos e perseguidores, indago-lhe sobre a aliança de Lula com Sarney. “Sinceramente o Lula fez uma grande besteira ao se unir com Sarney. Podia ter sido melhor ainda, sem Sarney. Todo político é obra de Sarney”. Espanto-me: todo? “É, a maioria é, o único que não é, é Lula. O único que não foi obra de Sarney, mataram, que foi o doutor Jackson Lago”.

E o governador Flávio Dino? “Ele tá trabalhando, com toda dificuldade, sem dinheiro, está trabalhando. Para trabalhar aqui no Maranhão tem que ter dinheiro, ele está sem dinheiro, mas está trabalhando”.

Observo o entorno, a Praça Deodoro tomada por barracas. Lembro de episódios envolvendo a Blitz Urbana, derrubando até mesmo construções de alvenaria em alguns pontos da cidade. Indago-lhe se não teme o futuro. Ele afirma, convicto, logo voltando à pauta de nossa conversa: “Camelô não é invasor. Tem sindicato, associação. Se Lula ganhar, melhor ainda. Com o apoio de Lula, o apoio de Flávio Dino, nós vamos ficar para sempre aqui. Até Deus mandar ele [Lula] embora. A perseguição a Lula foi grande, ainda é, matou a Marisa, mas Deus é maior”.

Agradeço a gentileza do papo e peço uma água. Ao sacar a grana para pagar ele abre um sorriso e manda: “cortesia do Lula!”.

João Pedro Borges: um perfil necessário

Este perfil de João Pedro Borges tecido pelo jornalista Wilson Marques não pretende ser uma biografia definitiva do músico, mas preenche uma lacuna sentida quando se trata de pesquisar a vida e obra deste talentoso artista maranhense, que se declara professor, acima de tudo.

João Pedro Borges foi o mestre, o gênio escolhido por Wilson Marques para inaugurar esta coleção de perfis em que pretende retratar, em breve e daqui por diante, diversas personalidades das artes do Maranhão, quase sempre carentes de bibliografia que lhes abarque.

Renomado violonista, de fama internacional, João Pedro Borges, o Sinhô, participou de capítulos importantíssimos da música brasileira, como a Camerata Carioca do maestro gaúcho Radamés Gnattali e a consequente renovação do choro no Brasil, ali iniciada, além da “aterrissagem” do brasileiríssimo gênero nos Estados Unidos, para ficarmos apenas nestes exemplos, pois mais não caberiam nesta orelha.

Razão e sensibilidade, como cravou a poeta e amiga Arlete Nogueira da Cruz em artigo, João Pedro Borges não é apenas um, equilibrando-se entre o erudito e o popular, usando para tal não corda bamba, mas as cordas do instrumento que há muito abraçou profissionalmente: o violão é a vida de João, rima barata, ofício não. Nele combinam-se ainda a grandeza de ser um dos maiores neste vasto universo musical e a simplicidade e humildade que conquistam qualquer um com quem converse, sobre qualquer assunto, em particular sobre música.

Música o que queremos ouvir, tocada por João Pedro Borges, durante e após esta leitura, de tão agradável, ligeira.

[Orelha que escrevi para João Pedro Borges: violonista por excelência (Clara Editora, 2013), do jornalistamigo Wilson Marques, livro que inaugura a série Perfis maranhenses]

Bota Pra Moer

Antônio Lima era o nome próprio daquele pernambucano entroncado, de cor clara, cabeça a la Rui Barbosa, natural de Caruaru e do qual os maranhenses recordam muitas histórias. Devido a sua impressionante inteligência, logo que aqui chegou foi batizado pela plebe de “Bota Pra Moer” e essa alcunha o acompanhou até o fim de sua existência. “Bota Pra Moer” era simplesmente impressionante, um matemático como até então nunca tinha aparecido igual em São Luís. Para quem não teve o privilégio de conhecê-lo, basta dizer que “Bota Pra Moer” chegava para uma pessoa e perguntava o dia, mês, ano e hora em que aquela pessoa nascera. De posse destes dados e num rápido cálculo que fazia mentalmente, dali a minutos respondia quantos anos, meses, dias e horas aquela pessoa tinha vivido até aquele instante. Outra faceta impressionante deste personagem era ler (mas ler mesmo) um jornal de cabeça para baixo e ficava lendo com a maior naturalidade. Depois relatava tudo o que os jornais estavam noticiando.

“Bota Pra Moer” usava sempre roupas de segunda mão que ganhava de famílias mais abastadas. Almoçava, jantava e, às vezes, dormia na residência do farmacêutico Garrido, proprietário da Farmácia Garrido, na Rua Grande. O farmacêutico não admitia que o chamassem pelo apelido e tinha, juntamente com sua esposa, uma estima muito grande pelo excêntrico matemático. Conta-se que, certa vez, “Bota Pra Moer” chegou à farmácia do seu Garrido e perguntou-lhe, num tom muito sério

“Seu Garrido, o senhor gosta de carne de boi?”

Garrido que estava muito atarefado, respondeu que sim, gostava de carne de boi. “Bota Pra Moer”, depois de algum instante, novamente tirou o farmacêutico de suas tarefas e perguntou-lhe:

“Seu Garrido, o senhor come carne de boi?”

Um pouco chateado, Garrido respondeu:

“É claro, Antônio, eu gosto e como carne de boi. E tu, não comes?”

Ao que “Bota Pra Moer” respondeu, ironicamente:

“Comer eu como, seu Garrido, mas é sentado…”

O farmacêutico caiu na gargalhada, diante daquela tirada de “Bota”.

Os bolsos de “Bota Pra Moer” viviam cheios de pão, que ele comia constantemente. Em outros bolsos guardava papéis e tocos de lápis para fazer seus cálculos. Às vezes era contratado por firmas para sair fazendo propaganda de casas comerciais. Nessas ocasiões andava pelas ruas com duas placas, uma na frente e outra atrás, anunciando os produtos e preços da firma comercial que o contratara. E como ficava feliz e sorria quando os transeuntes paravam para olhar as placas que conduzia!

“Bota Pra Moer” gostava também muito de crianças, sempre tinha alguma coisa para oferecer aos petizes que o cercavam. Um de seus hábitos era fazer casinhas de papelão que vendia para as crianças, a preços módicos, porque, para ele, o importante era fazer felizes aqueles pequeninos seres. Outra mania do nosso personagem: colecionar nos bolsos bolinhas de gude. Quando encontrava alguém disposto fazia aposta de como era capaz de engolir aquelas bolinhas e quase sempre ganhava, trazendo-as de volta na hora em que fazia as necessidades fisiológicas. Tirava as bolinhas da “massa fecal” e limpava, guardava-as novamente nos bolsos, à espera de novos apostadores.

São Luís é conhecida como “Ilha Rebelde” devido à célebre greve de 1951, quando o povo se revoltou contra a posse no governo do Sr. Eugênio Barros. Um dia os grevistas entregaram a “Bota Pra Moer” a bandeira nacional e o colocaram à frente, numa marcha rumo ao Palácio dos Leões. Os grevistas se autointitularam de “Soldados da Liberdade”. Quando a turba chegou à Praça Pedro II e “Bota Pra Moer” viu aquele monte de policiais em frente ao Palácio, com as armas em ponto de bala, prontamente entregou a bandeira para o primeiro que apareceu, afirmando:

“Até aqui eu vim, mas daqui pra frente arranjem outro que seja mais doido do que eu…”

Outros fatos pitorescos que se conta de “Bota Pra Moer”:

Certa vez telefonaram da residência do Sr. João Pereira, avô do Dr. Gabriel Cunha (que morava na Rua das Hortas) pedindo que fosse com urgência com determinado medicamento para uma pessoa da família que estava passando mal. Nessas ocasiões, o farmacêutico sempre pedia a “Bota Pra Moer” para fazer tais entregas. E foi o que aconteceu naquele dia. Seu Garrido tirou o remédio da prateleira, chamou “Bota” e deu-lhe o medicamento, instruindo-o quanto ao endereço onde deveria entregá-lo.

“Bota Pra Moer” chegou à porta da casa do Sr. João Pereira e bateu. Não foi atendido, tornou a bater e nada. Insistiu mais uma vez e ninguém dava sinal de vida. Vendo uma janela aberta, “Bota” pulou a referida janela, foi até a varanda da casa, deixou o remédio em cima de uma mesa, voltou a pular a janela e retornou para a farmácia. Ao chegar àquele estabelecimento, seu Garrido perguntou-lhe:

“Como é, Antônio, deixaste o remédio lá onde eu te disse?”

“Deixei, seu Garrido. Não tinha ninguém na casa e eu coloquei em cima de uma mesa.”

A essas alturas, na residência do Sr. João Pereira, estava todo mundo estupefato, sem saber como aquele precioso remédio fora parar em cima da mesa, sem que ninguém tivesse aparecido. Já estavam considerando um verdadeiro milagre, quando Garrido telefonou e contou a presepada de “Bota Pra Moer”.

Em outra ocasião, o então Presidente Dutra estava em visita a São Luís, trazido pelo Senador Vitorino Freire. Como parte da programação, Dutra e Vitorino foram para o Estádio Santa Isabel, onde o Presidente deveria dar o pontapé inicial de uma partida entre Sampaio e Moto. Quando as autoridades adentravam ao gramado (como dizem os locutores esportivos) lá atrás ia o “Bota Pra Moer”, muito na dele, jogando ioiô de tampa de panela. Nas arquibancadas e gerais a gritaria era infernal, todos se deliciando com o feito do “Bota”…

Pouco antes de “Bota Pra Moer” deixar este mundo, foi protagonista de outro episódio interessantíssimo. Tocava uma valsa numa das casas comerciais da Praça João Lisboa e nosso personagem, desinibido como era, apanhou a esmoler conhecida por Tiririca e com ela saiu valsando pelo calçadão existente em frente ao Moto Bar. Foi um acontecimento! Muita gente parou para ver aquele casal dançando feliz em plena praça, deixando de lado as tristezas da vida.

“Bota Pra Moer” costumava banhar-se numa lagoa infecta que se formava na Rua Paulo Frontin (no hoje bairro Retiro Natal) e que na época estava sendo aterrada. Aquela lagoa era, para o “Bota”, uma espécie de piscina, de rio ou de mar. Numa dessas vezes, vitimado por um mal súbito, “Bota Pra Moer” pereceu naquela lagoa e seu corpo foi encontrado no dia seguinte por populares que ali transitavam.

O corpo de “Bota Pra Moer”, depois de autopsiado, foi entregue à Faculdade de Medicina, onde os acadêmicos dele fizeram uso para seus estudos. Mesmo morto, o conhecido matemático foi útil – ou continua sendo útil – para os maranhenses…

*

Lopes Bogéa no raro Pedras da Rua [São Luís, 1988, 320 p.], cuja capa desenhada por Elvas Ribeiro, vulgo Parafuso, abre-ilustra este post. No livro o saudoso compositor dedica-se a perfilar estas “figuras populares”,  “gente simples de São Luís”, merecedoras de “nosso respeito e o nosso carinho”, como alerta o autor no preâmbulo da obra.