Coteatro reencena Espectrofúria

Cena da montagem original do Laborarte, em 1972. Foto: http://historiadoteatromaranhense.blogspot.com.br
Cena da montagem original do Laborarte, em 1972. Foto: http://historiadoteatromaranhense.blogspot.com.br

 

Espectrofúria, teatralização da prosa poética do pernambucano Eduardo Lucena, volta a ser encenada, sob direção de Tácito Borralho, mais de 40 anos depois da montagem original.

Em 1972 o recém-fundado Laboratório de Expressões Artísticas do Maranhão (Laborarte) recebeu o prêmio de Melhor Plasticidade no Festival Nacional de Teatro Jovem, em Niterói/RJ, pela peça, cuja encenação é inspirada nas teorias de Grotowski.

Entre outros nomes da ficha técnica, à época, estavam Regina Telles (coreografia), Sérgio Habibe e Pipiu (som) e Murilo Santos (iluminação). Este último permanece na mesma função na ficha técnica de 2014.

A montagem, agora realizada pela Companhia Oficina de Teatro (Coteatro) estará em cartaz no Teatro João do Vale (Rua da Estrela, Praia Grande), de amanhã (22) até 1º. de novembro, sempre às 20h30 – ingressos à venda na bilheteria do teatro, R$ 20,00 (20% dos ingressos poderão ser trocados por um quilo de alimento não perecível, exceto sal, entre 17h e 18h30). A temporada tem patrocínio da Companhia Energética do Maranhão (Cemar), através da Lei Estadual de Incentivo à Cultura.

“Como em nossos lixões e periferias mais retiradas e sofridas, as cenas apresentam fragmentos de um canibalismo inumano. Essa ópera-bufa mergulha no grotesco pútrido e mostra, como num pesadelo, a lasciva esfolada das ordens, disciplinas e recatos pudicos. E, como num uivo atemporal, revela a nada oculta relação de desprezo contido nessa dicotomia poder e miséria”, resume o texto de divulgação da peça.

“Procure você mesmo encontrar em sua codificação própria, de ver o que se desenrola em seu castelo medieval cheio de teias de aranha, morcegos e espectros (não de homens), de cães esqueléticos e famintos, insaciavelmente, buscando matar sua fome de ser e realizar-se”, escreveu o teatrólogo Tácito Borralho no programa da peça, em 1972.

Andreia Mendonça, Bruno Oliveira, Carla Purcina, Cristian Ericeira, Eduardo Medeiros, Fernanda Marques, Fran Colins, Gabriel Braga, Glaydson Castro, Isa Ewerton, Lílian Cutrim, Luciano Teixeira, Luís Ferrara, Luna Gandra, Marcelo Augusto, Mário de Jesus, Maxlow Furtado, Rafael Jovovick, Rogério Vaz e Stephany Sousa formam o elenco da peça, que se completa com a participação especial de Tarciso Sá, que atuou na montagem original.

Ensaio para a montagem da Coteatro em 2014. Foto: divulgação
Ensaio para a montagem da Coteatro em 2014. Foto: divulgação

Laborarte: raízes de um ideal

CESAR TEIXEIRA

1974: Josias Sobrinho e Cesar Teixeira faziam uma dupla de violeiros em encenação de “Marémemória”, espetáculo multimídia (antes de a palavra existir) baseado no livro-poema de José Chagas

Fundado oficialmente em 11 de outubro de 1972, o Laborarte completa 40 anos, mas a história da sua criação começa bem antes. A ideia original de formar um coletivo de arte integrada – reunindo teatro, música, dança, artes plásticas, fotografia etc – partiu do Movimento Antroponáutica (1969-1972), até então estruturado em cima da poesia.

Houve uma primeira convocação geral dos artistas de São Luís, em 1970, sem discriminação de tendências estéticas ou ideologia política. Foi um erro. A reunião ocorrida no prédio do Liceu, num domingo, acabou em verdadeiro tumulto, com os antroponautas subindo nas carteiras de uma sala de aula e discutindo entre si.

Uma nova convocação foi realizada em meados de 1972, tendo sido convidados grupos já constituídos e afinados com a proposta, entre eles o Teatro de Férias do Maranhão (TEFEMA), dirigido por Tácito Borralho, e o Grupo Chamató de Danças Populares, sob o comando de Regina Telles. Em uma reunião noturna nas escadarias da Biblioteca Pública (Praça Deodoro) foi decidida a programação cultural para lançar o movimento.

A manifestação seria realizada no auditório daquela biblioteca, cujas escadarias seriam ocupadas por uma exposição de artes plásticas. No auditório haveria performances com teatro, dança e música, culminando com o lançamento do livro Às mãos do dia, do poeta Raimundo Fontenele, que deveria fazer um ácido discurso-manifesto no final das apresentações.

Entre os convidados estaria o Secretário de Educação, Prof. Luiz Rego, que, conforme planejado, deveria ficar sentado num vaso sanitário. No coquetel, em vez de vinho ou guaraná, seriam oferecidos aos presentes penicos de leite e caranguejos vivos. Sem falar que em cada lance de escada que dava acesso ao auditório haveria um boneco de pano enforcado, ali representando o próprio artista marginalizado por um governo conservador.

Nada disso aconteceu, pois a Polícia Federal soube da mirabolante programação e mandou vários agentes para o local.

Houve exposição, teatro, dança e apresentação musical com a participação de Chico Maranhão e Sérgio Habibe, além do lançamento do livro. Mas o discurso ficou preso na garganta do poeta, que teve de prestar depoimento à PF, sendo liberado após intervenção da escritora Arlete Nogueira, então diretora do Departamento de Cultura do Estado.

Contudo, o movimento foi em frente, tendo sido escolhido o nome Laborarte (Laboratório de Expressões Artísticas) quando o grupo já estava instalado no prédio da Rua Jansen Müller, 42, contando ainda com a participação de alguns atores do Grupo Armação, criado por Borralho quando era seminarista em Recife.

A proposta de uma linguagem artística integrada, com identidade própria e respeitando as raízes culturais, portanto, já existia antes e se consolidaria na convergência para o Laborarte, instituído em 11 de outubro de 1972, uma quarta-feira, ocasião em que foi lançado o folheto de poesia mimeografado Os ossos do hospício, de minha autoria.

Naquele lugar se deu uma verdadeira alquimia que ajudou a quebrar alguns tabus e influenciar positivamente as artes no Maranhão. Não só a música ali produzida, mas sobretudo o teatro, apoiado nos estudos de Grotowsky, Artaud, Suassuna, Boal, Stanislavsky e Brecht. Sem esquecer de rezar nas cartilhas de Eduardo Garrido, Bibi Geraldino e Cecílio Sá, teatrólogos de verve popular.

O trabalho do Laborarte rendeu o prêmio de Melhor Plasticidade no Festival Nacional de Teatro Jovem, em Niterói (1972), com Espectrofúria, e o Troféu MEC/ Mambembe, no Rio de Janeiro (1978), com O cavaleiro do destino. Enfim, a entidade fez o dever de casa, e o que começou numa sala de aula vazia acabou virando uma escola.

Infelizmente, não posso relatar mais detalhes da história, porque fui expulso do Laborarte no início de 1975 e não vi de perto o que aconteceria depois. Mesmo assim, ainda contribuí indiretamente escrevendo o Testamento de Judas, impresso em forma de cordel (antes era mimeografado), entre 1990 e 2005, o que provocaria a fúria de muitos “herdeiros”.

[Viajando a trabalho, não cheguei a ir ao Laborarte dia 11, quando estavam previstas diversas atividades pelos festejos de suas quatro décadas; deixo com os poucos mas fieis leitores a memória e a pena afiadas de um de seus fundadores]