Utilidade pública: discografia da gravadora Marcus Pereira disponível no youtube

Num dia triste para a música, com as notícias dos falecimentos de George Martin e Naná Vasconcelos, uma notícia alvissareira me alcança por um e-mail do poeta Reuben da Cunha Rocha: toda a discografia lançada pela gravadora Marcus Pereira está disponível para audição no youtube (e download via torrent).

A gravadora lançou mais de 100 discos entre 1967 e o início da década de 1980. O primeiro, Onze sambas e uma capoeira, reunia, em 12 faixas, os irmãos Chico e Cristina Buarque e Adauto Santos interpretando a obra de Paulo Vanzolini. Uma das raridades desta gravadora em que, afinal de contas, tudo é raridade, é a estreia fonográfica conjunta de Chico Maranhão e Renato Teixeira, o terceiro disco brinde distribuído pela agência de publicidade de Marcus Pereira a seus clientes por ocasião das festas de fim de ano. Logo ele abandonaria a publicidade, dedicando-se exclusivamente à gravadora, passando a realizar talvez o mais importante mapeamento musical brasileiro da história. Algumas dezenas de discos e pouco mais de uma década depois, acossado por dívidas, Marcus Pereira se suicidaria.

Foi ele o responsável pelo lançamento de algumas pérolas do cancioneiro nacional: Abel Ferreira, Altamiro Carrilho, Arthur Moreira Lima, Banda de Pífanos de Caruaru, Canhoto da Paraíba, Carlos Poyares, Cartola, Celso Machado, Chico Buarque, Dércio Marques, Dilermando Reis, Donga, Doroty Marques, Elomar, Luperce Miranda, Marcus Vinicius, Paulo Bellinati (do Pau Brasil), Paulo Vanzolini, Quinteto Armorial, Quinteto Villa-Lobos e Sérgio Ricardo, entre outros, tiveram álbuns lançados pela Discos Marcus Pereira.

Lances de agora. Capa. Reprodução
Lances de agora. Capa. Reprodução

Os maranhenses Irene Portela, Papete e Chico Maranhão lançaram discos pelo selo. A codoense lançou Rumo Norte em 1979, entre repertório autoral e regravações de João do Vale; no ano anterior o visionário Marcus Pereira lançou Bandeira de aço e Lances de agora, ambos citados entre os 12 discos mais lembrados da música do Maranhão, em enquete do jornal Vias de Fato.

Rumo Norte. Capa. Reprodução
Rumo Norte. Capa. Reprodução

Por lá Papete lançaria ainda Água de coco, Berimbau e percussão e Voz dos arvoredos; Chico Maranhão, além do disco brinde dividido com Renato Teixeira e de Lances de agora, lançaria ainda Maranhão (comumente conhecido como Gabriela, por seu frevo-título), e Fonte nova.

O acervo da gravadora Marcus Pereira está com a Universal Music (que adquiriu a EMI), que não tem interesse comercial em relançar este precioso catálogo, ao menos não com a urgência necessária. “Grande parte da música brasileira está simplesmente se perdendo por não haver interesse comercial”, declarou-me o jornalista Eduardo Magossi, que aborda a história da gravadora em sua tese de mestrado. Ele foi o responsável pelo relançamento dos quatro discos da série História das Escolas de Samba, dedicados à Mangueira, Portela, Império Serrano e Salgueiro e anuncia novidades para 2016, sem adiantar que títulos serão relançados.

Bandeira de aço. Capa. Reprodução
Bandeira de aço. Capa. Reprodução

De um lado burocratas preocupados apenas com lucros de grandes companhias, de outro lado o poder público despreocupado com este imenso patrimônio cultural. Enquanto isso, viva a iniciativa do anônimo que decidiu disponibilizar esta valiosa coleção, de audição obrigatória para qualquer interessado em música brasileira.

[Update: Recomendando-me este texto de sua autoria o jornalista Eduardo Magossi alertou-me de uma incorreção no texto, aqui corrigido às 14h13; o primeiro disco lançado por Marcus Pereira foi Onze sambas e uma capoeira, e não a estreia fonográfica conjunta de Chico Maranhão e Renato Teixeira]

Pedra Azul na Ponta do Bonfim

Mineiro do Vale do Jequitinhonha, nascido na cidade que carrega no sobrenome artístico, Paulinho Pedra Azul volta à São Luís para um encontro musical. Digo encontro musical em vez de apenas show por que ele é daqueles artistas que vivem a arte intensamente e em vez de simplesmente subir no palco e tocar e cantar – coisas que faz tão bem – ele gosta de interagir com o público e com os músicos, conhecendo cenas, trocando informações, aprendendo e ensinando, como cabe aos grandes.

A quem não sabe, foi de uma visita do músico à Ilha que surgiu o projeto Clube do Choro Recebe, que acabou por durar cerca de três anos, reunindo chorões e artistas da música popular no Restaurante Chico Canhoto, sob produção de Ricarte Almeida Santos (o Recado para um amigo solitário que abre o post é sua preferida da lavra do compositor). Era agosto de 2007 e Paulinho Pedra Azul foi recebido pelo Regional Tira-Teima e outros músicos em uma roda informal que acabou se tornando um acontecimento semanal cujo legado é percebido ainda hoje.

O mineiro volta à Ilha e se apresenta neste sábado (30) no projeto Por do Sol da Ponta do Bonfim. Uma iniciativa de um grupo de amigos que em julho passado presenteou alguns privilegiados com um show de Renato Braz. Privilegiados não é modo de dizer: os ingressos são limitados, apenas 100 são colocados à venda. Aliás, se os poucos mas fiéis leitores quiserem garantir um desses, corra a um dos seguintes pontos: Restaurante Chico Canhoto (Rua 3, quadra B, casa 23, Residencial Araras/ Cohama, das 11h às 15h, telefone: 3223-9001), Cândida SLZ Trajes e Acessórios (Av. dos Holandeses, 7, loja 5, Galeria Space Room, Calhau, das 9h às 19h de segunda a sexta e das 9h às 16h no sábado, telefone 3083-1683) ou Lívia Boutique (Tropical Shopping, das 9h às 21h, telefones 3235-5844 e 3235-6640).

No repertório, um passeio por sua discografia e algumas de sua predileção entre clássicos da música popular brasileira e de sua memória afetiva. O show está marcado para começar às 16h30min. Às 16h um aquecimento com música mecânica. No encerramento o talento de Marconi Rezende.

TrajetóriaJardim da fantasia, seu primeiro disco, lançado em 1982, já lhe valeria lugar no panteão entre os maiores artistas da música brasileira. Puxado pela faixa título, exalava beleza de suas criações e interpretações, como “tua boca pingava mel”, verso da faixa título.

Na estreia estavam também Godofredo Guedes (pai do conterrâneo Beto Guedes, autor do choro Cantar), Fagner (autor de Pobre bichinho) e Diana Pequeno (que com ele cantou Voarás), entre outros. Talvez seja seu disco mais conhecido, mas é vasta a obra de Paulinho Pedra Azul, também escritor e artista plástico. A quem não conhece, ótima oportunidade. A quem conhece, nem preciso dizer nada.

Uma confissão: adolescente recém-iniciado na arte de colecionar discos, durante muito tempo rodei lojas – elas existiam – e sebos em São Luís procurando a tal música que começava assim: “Bem te vi/ bem te vi/ andar por um jardim em flor/ chamando os bichos de amor”. Demorei a encontrá-lo justo por procurar uma faixa intitulada Bem te vi. Era como minha cabeça de menino chamava o Jardim da Fantasia. A “confusão” só foi desfeita depois que eu adquiri o Ao vivo em Tatuí, que reunia Renato Teixeira, Pena Branca e Xavantinho, em que eles regravaram a música.

Maranhão 70

O discreto aniversário de 70 anos de Chico Maranhão, “um ser criador”.

ZEMA RIBEIRO

O compositor durante show no Clube do Choro Recebe (Restaurante Chico Canhoto) em 27/10/2007

Como era de se esperar, não houve estardalhaço midiático pelos 70 anos de Chico Maranhão, compositor tão importante quanto Caetano Veloso, Gilberto Gil, Milton Nascimento e Paulinho da Viola, outros ilustres setentões da senhora dona Música Popular Brasileira. Nem os meios de comunicação de Pindorama nem os timbira deram qualquer atenção à efeméride.

“Para mim é uma data como outra qualquer”, me diz o compositor ao telefone, em 17 de agosto passado. A afirmação não demonstra arrogância, mas simplicidade e desapego. Francisco Fuzzetti de Viveiros Filho, “nome usado unicamente para guardas de trânsito e delegados, com os quais ele não permitia a intimidade de seu verdadeiro nome – Maranhão”, como afirmou Marcus Pereira na contracapa de Lances de Agora (1978), há pouco mais de um ano descobriu um erro em seu registro de nascimento. “Nasci 17 e no registro consta que nasci 18; agora eu comemoro as duas datas”, diz. Avesso a comemorações, no entanto, o autor de Ponto de Fuga passou as datas em casa, lendo Liberdade, de Jonathan Franzen.

Puro acaso (ou descaso?), 17 de agosto foi a data em que o Governo do Estado do Maranhão anunciou a programação cultural oficial do aniversário dos controversos 400 anos de São Luís, em que figuras como Roberto Carlos, Ivete Sangalo e Zezé di Camargo & Luciano desfilarão pela fétida Lagoa da Jansen, os shows sob produção da Marafolia, com as cifras mantidas em sigilo, em mais uma sangria nos cofres públicos. Como outros artistas de igual quilate domiciliados na Ilha, Chico Maranhão ficou de fora.

“Quando eu tava em São Paulo [estudando Arquitetura e já envolvido com música, participando dos grandes festivais promovidos por emissoras de televisão, na década de 1960] e resolvi vir embora, muita gente me desaconselhou. Eu vim, sabendo para onde estava vindo. Sou feliz aqui, apesar de ver a cidade crescendo desordenadamente, de saber que daqui a algum tempo acontecerá aqui o que já aconteceu em São Paulo, Rio de Janeiro, Recife, Salvador: você não poder mais sair de casa ou por que não há espaço para seu carro ou por que você pode ser assaltado em qualquer esquina”, conta Chico, que revela estar com um disco praticamente pronto. “Estou esperando passar esse período de campanha eleitoral, em que os estúdios ficam todos ocupados para finalizar”.

Maranhão (1974)…

A obra musical de Chico Maranhão tem uma qualidade extraordinária e ao menos três discos seus são fundamentais em qualquer discografia de música brasileira que se preze: Maranhão (1974), do mais que clássico frevo Gabriela, defendido em 1967 pelo MPB-4 em um festival da TV Record, Lances de Agora(1978), de repertório impecável/irretocável, gravado em quatro dias naquele ano, em plena sacristia da Igreja do Desterro, na capital maranhense, e Fonte Nova (1980), da contundente A Vida de Seu Raimundo, em que Maranhão recria, a sua maneira, a barra pesada da ditadura militar brasileira (1964-85) e o assassinato do jornalista Vladimir Herzog, nos porões do DOI-CODI.

… Lances de Agora (1978)…

A trilogia é tão fundamental quanto rara: lançados pela Discos Marcus Pereira, os discos estão esgotados há tempos e confinados ao vinil. Curiosamente nunca foram relançados em cd, como os trabalhos de Canhoto da Paraíba, Cartola, Donga, Doroty Marques, Papete e Paulo Vanzolini, para citar apenas alguns poucos nomes produzidos e lançados pelo publicitário, que após mais de 100 discos em pouco mais de 10 anos, acabaria se suicidando, acossado por dívidas.

… e Fonte Nova (1980): a trilogia fundamental de Chico Maranhão

A estreia fonográfica de Chico Maranhão data de 1969. À época, seu nome artístico era apenas Maranhão e ele dividiu um disco brinde com Renato Teixeira, um lado para composições de cada um. Do seu já constava Cirano (que apareceria novamente em Maranhão e Lances de Agora), para a qual Marcus Pereira já nos chamava a atenção à qualidade literária desta obra-prima. “Este disco merece um seminário para debate e penitência”, cravou certeiro o publicitário na contracapa de Lances de Agora. Bem poderia estar se referindo à obra de Maranhão como um todo.

Formado em Arquitetura pela FAU/USP, na turma abandonada por Chico Buarque, a formação acadêmica de Maranhão, também Mestre em Desenvolvimento Urbano pela UFPE, certamente influencia sua obra musical, onde não se desperdiça nem se coloca à toa uma vírgula ou nota musical, em que beleza e qualidade são a medida exata de sua criação. “Na verdade, sou um criador, não me coloco nem como arquiteto nem como músico, sou um homem criador, o que eu faço eu vou fazer com criatividade, com qualidade”, confessou-me em uma entrevista há sete anos.

A obra de Chico Maranhão merece ser mais e mais conhecida e cantada – para além do período junino em que muitas vezes suas Pastorinha e Quadrilha (parceria com Josias Sobrinho, Ronald Pinheiro, Sérgio Habibe e Zé Pereira Godão), entre outras, são cantadas a plenos pulmões por multidões que às vezes sequer sabem quem é seu autor.

A reedição de seus discos em formato digital faria justiça à sua obra infelizmente ainda pouco conhecida, apesar de registros nas vozes de Célia Maria (Meu Samba Choro), Cristina Buarque (Ponto de Fuga), Diana Pequeno (Diverdade), Doroty Marques (Arreuni), Flávia Bittencourt (Ponto de Fuga e Vassourinha Meaçaba), MPB-4 (Descampado Verde e Gabriela) e Papete (Quadrilha), entre outros.

As palavras de Marcus Pereira, em que pese o número hoje menor de lojas de discos, continuam atualíssimas. A contracapa agora é de Fonte Nova: “‘Lances de Agora’, o mais surpreendente e belo disco jamais ouvido pelos que a ele tiveram acesso, nesta selva do mercado brasileiro onde, em 95% das lojas, encontram-se apenas 100 títulos de 20.000 possíveis. Esses 100 discos privilegiados todo mundo sabe quais são. Este ‘Fonte Nova’ é um passo além de ‘Lances de Agora’. Quem duvidar, que ouça os dois. Mas os seus discos são de um nível poético e musical que, no meu entender, não encontra paralelo na música brasileira”.

[Vias de Fato, agosto/2012]

Bandeira de aço, eterna

Disco antológico é divisor de águas na produção musical maranhense. Faixa-título, de Cesar Teixeira, batiza show do compositor em julho. Breve memória sentimental embalada pelo trabalho, fruto da pesquisa incansável de Marcus Pereira

ZEMA RIBEIRO

Papete usa um boné xadrez e óculos de aro fino. E sorri. E não é para menos. O músico bacabalense é um homem de sorte. Estava na hora e lugar certos. A estampa é ladeada por um texto, de que colho trecho.

“E logo entrei em contato com um grupo de compositores maranhenses que nos convidou para uma reunião boêmia na Madre Deus, trincheira maior dos resistentes em favor da cultura popular regional, dos tambores, do bumba meu boi. E, perplexos, assistimos ao desfile de composições surpreendentes de Carlos Cesar [Teixeira], Josias [Sobrinho], Ronaldo [Mota] e Sérgio Habibe. Muito antes, a partir de 1968, Chico Maranhão, cujo apelido não deixa dúvidas, vinha me mostrando as coisas de sua terra. Nosso encantamento foi tal que as músicas se instalaram dentro de nós e nosso grupo passou a ter uma senha que era cantarolar ou assobiar a fantástica música de São Luís.”

O trecho é um parágrafo inteiro do texto sem título, assinado pelo pesquisador e produtor Marcus Pereira, na contracapa do vinil Bandeira de Aço, lançado por ele em 1978. Na capa, além do título do disco e de um simpático boi de lata, o nome de seu intérprete, Papete, encimando a expressão “Compositores do Maranhão”, que se referia aos quatro que gravou, os citados autores das composições surpreendentes. Àquela altura, Chico Maranhão já havia lançado pelo menos três discos pela gravadora: um disco brinde com músicas do maranhense de um lado e de outro Renato Teixeira (1969) – disco este que transformou definitivamente o escritório de publicidade de Pereira em gravadora –, Maranhão (1974) e Lances de Agora (1978), gravado em quatro dias na sacristia da secular Igreja do Desterro, no bairro homônimo do centro histórico da capital do Maranhão.

Outra contracapa de texto antológico, aliás. Lá, Pereira cravaria a sentença, espécie de doce praga de que não conseguimos nos livrar: “Ninguém nasce e vive impunemente em São Luís do Maranhão”.

Mas divago.

Bandeira de Aço era o segundo disco de Papete na Marcus Pereira. Antes, ele já havia lançado Papete, berimbau e percussão (1975), em que executa em sua maioria temas de domínio público, pontos de mina e tambores outros. No segundo, nove composições dos quatro mosqueteiros, três deles com passagens pelo Laboratório de Expressões Artísticas do Maranhão, o Laborarte, fundado em 1972 – a exceção é Ronaldo Mota (hoje o único que reside fora do estado) –, um repertório para ninguém botar defeito: no lado a, Boi da Lua (Cesar Teixeira), De Cajari pra Capital (Josias Sobrinho), Flor do Mal (Cesar Teixeira), Boi de Catirina (Ronaldo Mota) e Engenho de Flores (Josias Sobrinho); no lado b, Dente de Ouro (Josias Sobrinho), Eulália (Sérgio Habibe), Catirina (Josias Sobrinho) e a faixa-título (Cesar Teixeira).

Músicas até hoje, como preconizava o relato de Marcus Pereira, cantaroladas e assobiadas por qualquer maranhense – ou quem quer que as tenha ouvido ao menos uma vez. É ou não é Papete um artista de sorte? O talento não lhe nego. Era ou não era fácil tornar Bandeira de Aço, o disco, um sucesso? Nem tanto: “aquele time de compositores praticamente definiu uma estética da música popular produzida no Maranhão”, afirma o sociólogo e radialista Ricarte Almeida Santos em dissertação que está produzindo para o Mestrado em Cultura e Sociedade (UFMA) – o trabalho do apresentador do Chorinhos e Chorões versa sobre as relações entre os sucessivos governos e a produção musical/fonográfica do Maranhão, a ser defendido ainda este ano.

O fato é que demorando mais ou menos, o repertório de Bandeira de Aço inteiro caiu nas bocas, mentes e corações do povo – o disco embalou minha infância e a vida inteira e o que dela ainda vem. Quem nunca ninou uma criança com um Boi da Lua? Ou quem nunca dançou ao som de qualquer daquelas músicas num arraial da vida?

Meu "Shopping Brazil", autografado pelo compositor
Meu "Shopping Brazil", autografado pelo compositor

Cesar Teixeira, Josias Sobrinho Ronaldo Mota e Sérgio Habibe ainda demorariam algum tempo a estrear no mercado fonográfico – digo, em disco, interpretando suas próprias composições. Uns mais, outros menos. O primeiro, que já compunha e vencia festivais desde entre o final da década de 1960 e início da de 70, já vencera salões de artes plásticas e participou da fundação do Laborarte, só viria a lançar Shopping Brazil – sua estreia em disco-solo, apesar de já ter sido gravado por um sem-número de intérpretes – em 2004.

Ali mostrou músicas inéditas e regravou músicas já conhecidas do público em interpretações alheias. Boi de zabumba, coco, choro, samba, xote, baião, hip-hop, ladainha. Tem de tudo. Entre as regravações, Bandeira de Aço. Quem não se lembra de versos clássicos como “Mamãe, eu tou com uma vontade louca/ de ver o dia sair pela boca/ de ver Maria cair da janela/ de ver maresia/ ai, maresia”?

Esgotado, Shopping Brazil ganhará reedição ainda em 2011. A verdade é que as demoras – para lançar um primeiro disco, para recolocá-lo nas prateleiras das quase inexistentes lojas ou para gravar um segundo – se justificam pela despreocupação do artista com questões que não sejam coletivas. Sua música e sua poesia – esta completamente inédita, fora um ou outro poema publicado aqui ou acolá em antologias – sempre estiveram a serviço de causas nobres, como seu jornalismo, sua militância por direitos humanos, indissociáveis os vários césares que lhe habitam. Quem, numa greve, nunca cantou os versos de Oração Latina? A música, vencedora do Festival Viva Maranhão de Música Popular, em 1985, é hoje um hino de trabalhadores e movimentos sociais. Sua vida e obra sempre foram bandeiras de aço, resistência, ideais, convicção e coerência.

Bandeira de Aço dá nome a show que Cesar Teixeira (foto) apresenta dia 30 de julho (sábado), às 21h, no Circo Cultural Nelson Brito (Circo da Cidade, Aterro do Bacanga, ao lado do Terminal de Integração da Praia Grande). A produção é de Ópera Night.

No espetáculo, uma espécie de “saideira das férias”, o repertório, completamente autoral, passeará por músicas mais ou menos conhecidas, incluindo aí dos clássicos que todo mundo sabe e cantará junto a inéditas. Os poderes públicos do Maranhão têm permitido à população conhecer apenas as faces carnavalesca e junina de diversos artistas. A exemplo de outros, Cesar Teixeira é daqueles que têm bem mais a mostrar.

Bandeira de Aço, o show, é uma oportunidade ímpar de ver e ouvir Cesar Teixeira em ação. De saber-lhe a força poética. De sentir a alma tocada por seus versos certeiros. De perceber que a cultura popular do Maranhão é bem mais que carnaval, São João e bumba-bois abençoados por madrinhas e padrinhos cuja credibilidade quase nos faz perder a fé num mundo melhor. Que a Bandeira de Aço tremule de alegria.

[Outro texto nosso no Vias de Fato de julho, ora nas bancas]