Os hits do Ritchie

Em geral Ritchie é um cara subestimado. A vida tem dessas coisas, música que abre este post, é parceria com Bernardo Vilhena, talvez seu parceiro mais constante, com quem assina quase todo o Voo de coração (de 1983, época em que a palavra vôo ainda tinha acento), disco de músicas até hoje assobiadas por aí, como Pelo interfone e Menina veneno, seu maior hit, ambas também parcerias Bernardo Vilhena.

Em algumas faixas do disco aparecem Liminha (contrabaixo), Lulu Santos (guitarra) e Lobão (bateria), entre outros, os dois últimos egressos da Vímana, banda que Richard David Court, nome de pia de Ritchie, formou quando desembarcou no Brasil, ainda na década de 1970, quando era um inglesinho de “20 e poucos anos” (mas isso já é título de música de Fábio Jr.).

Em 1984 Ritchie participaria também de Velô, disco de Caetano Veloso: os dois cantam juntos Shy Moon, composta em inglês pelo baiano.

Ritchie está na ativa e com disco na praça, 60, alusão à sua idade. O sessentão faz show hoje em São Luís, no projeto Gênesis in Concert, que celebra alguma efeméride da boate que já foi febre na capital maranhense. Abre a noite o DJ Salim Lauande, um de seus sócios-fundadores-proprietários.