Hoje as mulheres motenses têm mais o que comemorar

Um princípio de confusão, iniciado não se sabe por quem, mas logo contido pela polícia militar, no intervalo de Sampaio 0x1 Moto Club, que viria a ser o resultado final da partida, não tirou o brilho do espetáculo de ontem (7).

A bateria da Escola de Samba Marambaia deu a volta olímpica ao Estádio Castelão palco da manutenção da invencibilidade do Papão do Norte ante o Tubarão desde 2017, seguida por torcedoras do mandante e do líder do 100° campeonato maranhense de futebol.

As mulheres traziam faixas onde se lia “lugar de mulher é no campo e onde ela quiser” e coisas do tipo, que este torcedor que agora faz as vezes de repórter não anotou e cita de memória.

O ato político era a antecipação para o sábado das comemorações pelo Dia Internacional da Mulher, celebrado hoje (8), aniversário de minha mãe, Dona Solange, também motense, além de um recado explícito a quem porventura deseja manter o status quo machista, dentro ou fora do campo ou arquibancadas.

Desnecessária a postura de alguns poucos torcedores de ambas as equipes, que não entenderam nada e arremessaram objetos contra as mulheres, como a atestar a necessidade e a urgência deste tipo de atitude, o protesto, diante da grosseria de gente que, como diria o poeta Reuben, comprova a viagem no tempo: a presença maciça de cabeças do século retrasado neste.

Se por um lado também é positiva a presença de mulheres na função de bandeirinhas, juízes vestindo cor de rosa em alusão ao 8 de março foi uma tremenda bola fora da Federação Maranhense de Futebol (FMF), por razões óbvias, além da conversa para boi dormir da ministra bolsonarista Damares Alves: rosa não é cor de mulher, que escolhe a cor que quiser.

Após a rápida cobrança de falta, o gol de Naílson aos 25 minutos garantiu ao Moto Club a liderança isolada e invicta do campeonato maranhense. João Paulo, que substituiu o goleiro Saulo desde os 12 minutos do primeiro tempo, foi peça-chave para a manutenção do resultado, certamente um dos destaques da partida, ao lado do autor do tento solitário e de Ancelmo.

Após a derrota para o Fluminense e a consequente eliminação na Copa do Brasil, o Moto Club de São Luís volta as baterias para o Estadual, ao menos enquanto não começa a série D. O comentarista Petiković alertou numa mesa redonda televisiva após a partida da quarta-feira de cinzas: “o próximo desafio do Moto é contra o rival Sampaio e uma derrota nesse clássico às vezes pode custar o emprego do técnico”, cito de memória. A continuar assim, o técnico motense Dejair Ferreira e a torcida rubro-negra não têm com o que se preocupar.

As mulheres anteciparam o protesto e o Moto Club antecipou-lhes o presente e a alegria.

Bolívia Querida na TV Brasil, hoje

TV Brasil revive hoje onda tricolor que tsunamiou a Ilha

 

O Sampaio Correia fechou 2013 com o vice-campeonato da terceira divisão, garantindo acesso à série B em 2014, em uma campanha vitoriosa.

A TV Brasil (canal 2 da tevê aberta) exibe hoje, às 13h (horário local), o Especial Bolívia Querida, em que lembrará momentos marcantes da trajetória do time neste ano que se encerra, além dos títulos de 1972 (série B), 1997 (C) e 2012 (D). O maranhense Sampaio Correia é o único time brasileiro campeão em três divisões do futebol nacional.

O programa, de uma hora, tem apresentação e direção executiva do querido Nicolau Leitão e direção de Luiz Arthur Figueiredo e contará com as presenças de ídolos que fizeram parte da história dessas conquistas: Neguinho, zagueiro e capitão em 1972, Toninho, zagueiro em 1997, e o goleiro Rodrigo Ramos, que fechou a meta em 2012 e 2013.

“Ficamos felizes em produzir um programa que valoriza uma história tão interessante, como a do Sampaio, único time brasileiro campeão em três divisões. Além disso, por reconhecer a importância de uma bela campanha, ainda que não tenha sido coroada com o título, como a deste ano”, comenta o apresentador.

O apresentador Nicolau Leitão com os ídolos bolivianos

Um craque das letras

[Íntegra da entrevista publicada hoje no Alternativo, O Estado do Maranhão]

O escritor e jornalista Xico Sá, autor convidado da 7ª. Feira do Livro de São Luís, falará ao público sobre jornalismo, literatura e futebol, temas da palestra que fará dia 2 de outubro no Teatro João do Vale auditório da Faculdade de Arquitetura. Na entrevista concedida aO Estado ele abordou ainda cinema, a viagem que fará à Espanha, a obra de Bruno Azevêdo e arriscou um palpite sobre a ascensão do Sampaio Correia à série B

ZEMA RIBEIRO
ESPECIAL PARA O ALTERNATIVO

Nascido no Ceará, formado jornalista em Pernambuco, Xico Sá há muito está radicado em São Paulo. Já desfilou seus textos, dos mais elegantes da literatura e do jornalismo brasileiros, por veículos como Veja, Folha de S. Paulo, Playboy, Trip, TPM, V e muitos outros.

É autor de livros tão diversos como Nova Geografia da Fome – parceria com o fotógrafo Ubirajara Dettmar, que percorreu os caminhos iniciais do Programa Fome Zero no Brasil –, Modos de Macho e Modinhas de Fêmea, Se um cão vadio aos pés de uma mulher abismo, Catecismo de Devoções, Intimidades e Pornografias e o mais recente, Big Jato, espécie de autobiografia inventada que virará filme em breve (leia um trecho).

Também se aventura com a mesma elegância e desenvoltura por terrenos difíceis como o consultório sentimental – o que fez no Saia Justa, do GNT, e continua em seu blogue, hospedado no site da Folha de S. Paulo – e na crônica esportiva – aos sábados os leitores da mesma Folha deliciam-se com seu inconfundível jargão, “amigo torcedor, amigo secador”.

Outras aventuras de Xico dão-se ainda no campo da música e do cinema. O jornalista é parceiro de bandas como a mundo livre s/a e estrelou videoclipes de Sidney Magal [Tenho] e Junio Barreto [Passione], além de ter feito pontas como ator em filmes como Crime Delicado (baseado no livro homônimo de Sérgio Sant’anna) e O cheiro do ralo (baseado idem em Lourenço Mutarelli).

Convidado da 7ª. Feira do Livro de São Luís, Xico Sá estará numa mesa mediada por este jornalista, no Teatro João do Vale auditório da Faculdade de Arquitetura (Rua da Estrela), dia 2 de outubro (quarta-feira), às 18h. Ele falará sobre Literatura, jornalismo e futebol. Por e-mail, o candidato a galã da 7ª. FeliS concedeu a entrevista a seguir a O Estado.

O Estado do Maranhão – Quais as expectativas para um retorno à São Luís, desta vez, finalmente, na condição de autor convidado do maior evento literário do Maranhão?
Xico Sá – Voltar à São Luís é bom de qualquer jeito. Até quando eu viajava ao Maranhão apenas como repórter, para trabalhar, já era bom, imagina agora, quando poderei trocar uma ideia com os leitores e, quem sabe, conquistar novos olhos e atenções para minhas crônicas e livros. Não vejo a hora.

Big Jato é um romance que funcionaria bem também como um livro de contos. Em tempos de redes sociais, em que as linhas que dividem palco e plateia, formadores e consumidores de informação estão cada vez mais tênues, você é um dos que joga nas onze: é Jornalista com J maiúsculo, cronista esportivo, consultor sentimental, ator e galã. Como diz o título da biografia do Simonal escrita por Gustavo Alonso, também convidado da 7ª. Feira do Livro de São Luís: é preciso ter suingue pra não morrer com a boca cheia de formiga? Só o suingue salva. Minha história sempre foi assim, uma viração danada, tenho a peleja nordestina n´alma. Já fui de tudo nessa vida: vendedor de passarinho, garçom, porteiro de cabaré, vendedor, fiscal de trânsito no Recife etc. Agora essa vidinha burguesa tá é uma moleza. Doce de mamão com coco. Gosto dessa embolada de fazer de um tudo ao mesmo tempo. Coisa de artista moderno [risos].

Seu mais novo livro é mais ou menos uma autobiografia inventada, isto é, mescla realidade e ficção em torno de um caminhão limpa-fossas, o personagem título. Nessa salada literária eu penso em cinema, no que você já atuou como roteirista e ator. Big Jato daria um ótimo filme, concordas? Rapaz, o livro foi adaptado e será filmado no próximo ano pelo diretor Claudio Assis [de Febre do Rato, Amarelo Manga etc.]. O roteiro está pronto e agora só falta um pouco ainda da grana, mas já vai entrar em fase de captação.

Sua passagem pela FeliS é uma espécie de última escala no Brasil. Fale um pouco do que vai fazer na Espanha [o autor viaja para lá logo após a 7ª. FeliS]. O que trará de lá na mala e no bolso? Tenho uma ligação muito forte com a literatura picaresca espanhola, muito parecida com tudo que a gente faz no Nordeste em matéria de narrativa. Do cordel ao mar das nossas histórias orais. No Big Jato uso muito desse traço. Estou indo para uma pequena temporada estudar esse tema na Espanha. No próximo ano, no entanto, vou para ficar um ano.

Você assinou a quarta capa dA Intrusa, de Bruno Azevêdo e já o apontou como o maior escritor em atuação no Brasil. Na 7ª. FeliS ele lançará Baratão 66 [nota do blogue: a hq será lançada somente em novembro], graphic novel em que uma casa de depilação durante o dia funciona como puteiro à noite. O que acha da ideia, seja na ficção seja na realidade? Bruno Azevêdo é um dos maiores, sem dúvida, talvez o mais moderno e invocado dos nossos narradores, com múltiplos recursos e uma formação que junta o erudito, o popular e toda a bagaceira do que se convencionou a chamar de brega no Brasil. Ainda não me curei ainda da paixão pelA Intrusa e o cara já me lasca esse Baratão 66. Acompanho com prazer e curiosidade a trajetória desse rapaz.

Amigo torcedor, amigo secador! Sua palestra na FeliS tem como tema “Literatura, jornalismo e futebol”. Nestes campos, quais são as suas principais referências, seus escritores, redatores e jogadores de cabeceira? Tem saído coisa muito boa na literatura contemplando o universo do futebol. O que mais me empolgou ultimamente foi o livro Páginas sem Glória, do Sérgio Sant´Anna. Genial o conto homônimo sobre um craque amador que experimenta o sucesso rápido no Fluminense e depois cai em desgraça de novo no subúrbio carioca. Ando às voltas com um personagem de futebol no romance que estou escrevendo. Não é obrigatoriamente um livro sobre futebol, mas o personagem principal é um angustiadíssimo goleiro na hora do gol, como na canção do Belchior.

Este ano o Sampaio Correia sobe? Tomara Deus. Merece pela performance que mantém desde o ano passado. Estou na torcida boliviana e bolivariana.

Sampaio/MA 4 x 0 Comercial/PI

No Nhozinho Santos, pela série D do Campeonato Brasileiro, Sampaio Correia repete o placar da final da Eurocopa, em que a Espanha bateu a Itália por 4 x 0. Time maranhense sonha com vaga na série C.

Este blogue homenageia a torcida boliviana com a foto de um brincante do Boi da Fé em Deus, captada no dia de São Pedro (29), no Canto da Cultura, Praia Grande.

Que os santos do mês de junho abençoem o Sampaio ao longo de sua caminhada!

Este post é dedicado a meu tio Susalvino Viana e toda sua família boliviana que foi ao Gigante da Vila Passos conferir de perto a goleada.

 

Maranhão metáfora Moto Club

Pela TV Difusora assisti ontem ao clássico de maior rivalidade no futebol maranhense, que terminou com a vitória do Sampaio Correia sobre o Moto Club por 3 a 2. Terminou é modo de dizer: a partida teve seu final antecipado de forma ridícula, com o rubro-negro deixando o campo 15 minutos antes do fim do jogo, para evitar tragédia maior: uma goleada. A derrota era praticamente inevitável, disso sabíamos antes mesmo de os times entrarem em campo; uma goleada, mesmo faltando apenas um quarto de hora para o apito final, era muito provável.

O time tricolor demonstrou infinita superioridade durante o tempo em que a bola esteve em disputa. A defesa do Moto não existe e nos aproximadamente 75 minutos de bola rolando, três de seus jogadores foram expulsos, o que deixou a superioridade boliviana ainda mais evidente.

A postura da equipe motense foi de um extremo desrespeito para com a torcida rubro-negra, que ao longo dos últimos meses tem carregado o time nas costas. Com rifas, bingos, doações e esmolas é que se têm pagado os salários dos jogadores. Como foi acintosa também a declaração de público pagante – pouco mais de três mil torcedores, segundo a Federação Maranhense de Futebol. Na opinião do comentarista José Raimundo Rodrigues, motense de carteirinha, eram mais de 10 mil e a FMF estava debochando do torcedor maranhense. Houve um bate-boca no ar entre ele e Antonio Américo, presidente da FMF, o outro comentarista.

Há um ar ridículo, aliás, na transmissão futebolística local. Se Zé Raimundo torce descaradamente pelo Moto, mesmo que apontando as muitas falhas do time, onde elas existem, o segundo comentarista é sempre pior: ontem era o presidente da FMF, noutro jogo um deputado e por aí vai; é sempre uma autoridade, mas nunca no assunto. O patrocínio é quase exclusividade do Governo do Maranhão, com quase nada de iniciativa privada. E com o vexame motense de tirar o time de campo antes da hora ontem, a tendência é piorar. O campeonato maranhense entra na sua fase semifinal com o Moto Club na corda bamba para o bastante provável rebaixamento.

Personagem do vexame, Kléber Pereira converteu um pênalti, insuficiente para livrar seu time do ridículo fim
Metáfora – A atitude do time do Moto Club ontem foi ridícula e desrespeitosa. Ponto. Com os próprios motenses que, repita-se, têm carregado o time nas costas. Com os maranhenses que gostam de futebol. E com todos os maranhenses, já que mais um motivo para uma chacota nacional foi dado.

Mas cabe aí uma reflexão: presidido por Sarney Neto, um dos braços da família-polvo no ramo do futebol, o Moto Club foi abandonado à própria sorte. Vivendo de esmolas, os jogadores sem saber se teriam como pagar as contas de água e energia elétrica, o colégio dos filhos, sequer se conseguiriam por arroz e feijão na mesa. O que resta a fazer? Tirar o time de campo!

Vejam se não é o que faria, se pudesse, e faz, quando pode, grande parte do povo maranhense? Quando pega um ônibus com destino ao corte de cana ou à construção civil, em grande parte em condições análogas à de escravo. Eis a metáfora: Sarney Neto é vocês sabem quem, manda de fora, raramente aparece, tem suas vantagens e não está nem aí para a devoção e o sofrimento do torcedor, o Estádio Nhozinho Santos é o Maranhão e o Moto Club é o povo maranhense.